Mudam os presidentes, mas quem manda em Espinho é Pessegueiro

Mudam os presidentes, mas quem manda em Espinho é Pessegueiro

Antes de Miguel Reis, também Joaquim Pinto Moreira terá ajudado a empresa Construções Pessegueiro, ao atrasar propositadamente licenciamentos. Miguel Reis foi detido há uma semana, por diversos crimes económicos alegadamente cometidos no licenciamento de obras. É suspeito de corrupção. O ainda presidente da Câmara Municipal de Espinho, que entretanto deverá abandonar o cargo, ficou em prisão preventiva. Quem também ficou em prisão preventiva foi Francisco Pessegueiro, dono da empresa de construção civil Construções Pessegueiro, alegadamente beneficiada por Miguel Reis. O autarca terá atrasado licenciamentos urbanísticos de concorrentes para beneficiar as vendas do 32 Nascente, um empreendimento habitacional das Construções Pessegueiro.