• Tribunal tunisino rejeita decidir sobre libertação de candidato presidencial

    19 Setembro 2019 O magnata dos media e candidato à presidência Nabil Karoui viu um tribunal recusar, pela terceira vez,, decidir sobre a o seu proceso de libertação. Está em greve de fome e vai disputar a segunda volta com o conservador independente Kais Saied./> Público »

  • Candidatos anti-sistema disputam poder na Tunísia

    17 Setembro 2019 >Na Tunísia já são conhecidos os dois candidatos que vão disputar a segunda volta das eleições presidenciais que devem ter lugar no próximo mês de Outubro. O escrutínio vai opor o académico conservador Kaïs Saïed, que obteve 18,4%, ao magnata da comunicação social, Nabil Karoui, detido preventivamente por alegada corrupção que conquistou 15,5% dos sufrágios.Ivo Sobral, professor de Relações Internacionais na Universidade de Abu Dhabi, reconhece que estes resultados representam um novo capítulo na história tunisina. RFI »

  • Tunísia à espera dos resultados das presidenciais

    16 Setembro 2019 >Continua o suspense na Tunísia cujos eleitores foram ontem chamados às urnas para eleger um novo Chefe de Estado depois da morte em Julho do Presidente Caïd Essebsi. De acordo com resultados provisórios referentes a cerca de 39% dos votos, estão à frente dois candidatos que não pertencem ao microcosmo político tradicional. >Segundo dados preliminares da Instância Superior Independente para as Eleições (ISIE), a meio desta tarde, o universitário conservador independente Kaïs Saied, estava em primeira posição com um pouco menos de 19% dos votos, seguido pelo empresário Nabil Karoui, com 15% dos votos. Eles poderiam ficar frente a frente na segunda volta, sendo que em terceiro lugar, com um resultado muito próximo, estava o candidato apoiado pelo partido de inspiração islamista Ennahdha, Abdelfattah Mourou, com um pouco mais de 13% dos sufrágios.>Os resultados definitivos desta primeira volta são esperados até esta Terça-feira, mas a confirmar-se o cenário de uma segunda volta com dois candidatos exteriores ao sistema, este escrutínio já marcado pelo número Record de 26 candidatos (apesar de dois abandonarem a corrida à ultima hora) poderia afigurar-se ainda mais peculiar. Com efeito, o segundo candidato mais votado, o publicitário e dono de um canal de televisão, Nabil Karoui encontra-se detido desde o passado 23 de Agosto, nomeadamente sob a acusação de branqueamento de capitais. Na passada Sexta-feira, o seu último pedido de libertação foi chumbado, a sua defesa garantindo agora que vai proceder a um novo pedido nestas próximas 24 horas. Mais pormenores aqui.>Entretanto, perante o cenário que parece estar a esboçar-se surgiram primeiras reacções. O Primeiro-ministro Youssef Chahed que chegou em 5° lugar com 7,4% dos votos, assumiu rapidamente a derrota e não deu instruções de voto, esta tendo sido igualmente a posição de outro candidato derrotado, o antigo Presidente Moncef Marzouki.>Refira-se ainda que, segundo dados provisórios da ISIE, entre os 7 milhões de eleitores chamados ontem às urnas, cerca de 45% foram efectivamente votar. Apesar de um aumento substancial do número de inscritos nas listas eleitorais, houve apenas uns 3 milhões de votantes ontem, tal como nas presidenciais de 2014, sendo que na altura esta fasquia representava 63% dos eleitores. RFI »

  • Tunisinos escolhem candidatos sem experiência política na primeira volta das presidenciais, segundo projecções

    15 Setembro 2019 O empresário Nabil Karoui, actualmente a cumprir pena de prisão, e o académico Kaïs Saïed vão disputar a segunda volta das presidenciais em Novembro./> Público »

  • Tunisinos votam este domingo na 1.ª volta das eleições presidenciais

    15 Setembro 2019 >Cerca de 7 milhões de eleitores tunisinos votam este domingo na primeira volta das eleições presidenciais que contam com 26 candidatos para seleccionar os dois finalistas e substituir assim o presidente Béji Caïd Essebsi, morto em julho. Estas eleições apresentam-se como um teste à jovem democracia que atravessa uma grave crise económica e de valores. >Os tunisinos votam desde esta manhã na primeira volta das eleições presidenciais tendo como pano de fundo expectativas sociais e económicas e uma rejeição da classe política que governa o país desde a chamada primavera árabe de 2011.>São cerca de 7 milhões de eleitores que vão seleccionar os 2 finalistas à segunda volta entre 26 candidatos, nomeadamente, o primeiro ministro, Youssef Chahed, ou ainda um magnata de comunicação social, Nabil Karoui e o primeiro candidato do partido de inspiração islâmica radical, Ennahdha, Abdelfattah Mourou.>Na sexta-feira à última hora, dois candidatos de segundo plano retiraram-se da corrida presidencial e apelaram a votar no ministro da Defesa, Abdelkarim Zbidi, cuja candidatura foi promovida pelo Presidente, Béji Caïd Essebsi.>Uma Tunísia em crise vota para mudar o sistema>Outros candidatos como o universitário independente, Kaïs Saied, concorrem nesta primeira volta com uma mensagem anti-sistema. Uma maneira de desacreditar a elite política corroída por lutas pelo poder. >"Estamos orgulhosos de poder participar nestas eleições para que amanhã tenhamos uma Tunísia entregue em boas mãos", declarou, após ter votado um eleitor tunisino, Chahed.>"Há muita tensão entre os diferentes campos o que acentua os riscos de um descarrilamento do processo eleitoral", afirma, por seu lado, Michael Ayari, analista no Centro de reflexão internacional, International Crisis Group.>Este escrutínio é um teste para a jovem democracia tunisina, pois "poderá ter necessidade de aceitar a vitória de um candidato radical", sublinhou a investigadora, Isabelle Werenfels.>O editorialista, Zied Krichen, mais moderado, afirma que "a Tunísia já teve experiências com o islamismo, os centristas e talvez avance para outras aventuras preocupantes, mas pensa que havera sempre uma resistência no país. >Enfim, esta primeira volta das eleições presidenciais, poderá ficara também marcada por uma abstenção consistente tendo em conta a desconfiança do eleitor tunisino nos homens políticos.  RFI »