• As colisões que o Autopilot da Tesla não consegue evitar

    14 Junho 2018 >/>A Tesla anuncia o seu Autopilot como sendo mais seguro que um condutor humano, e já temos visto casos em que o sistema consegue evitar acidentes que seriam difíceis de evitar se o carro estivesse a ser conduzido manualmente; mas isso não invalida que noutros casos o sistema seja assustadoramente ineficaz.>Uma empresa de testes britânica pôs o Autopilot da Tesla à prova para relembrar que não se deve confiar demasiado nestes sistemas semi-autónomos, demonstrando como um >Tesla pode colidir violentamente com um veículo parado na estrada.A situação ocorre quando o Tesla com o Autopilot segue um veículo, e depois este muda para outra via revelando um automóvel parado (ou outro objecto). Antes de mais importa relembrar que esta situação é precisamente mencionada pela Tesla como sendo um dos casos em que o Autopilot não funciona devidamente; assim como nos casos de veículos parados na berma; e que cabe ao utilizador estar permanentemente atento e pronto para retomar o controlo da viatura.O problema é que essa informação não é transmitida pela Tesla de forma tão evidente como a ideia de que o seu Autopilot é realmente capaz de conduzir o carro, ultimamente fazendo com que muitos condutores (por sua responsabilidade, é certo) >optem por confiar demasiado no sistema. É algo que provavelmente não fariam se em vez de "Autopilot" o sistema se chamasse "lane-assist" ou algo que fosse mais adequado às suas reais capacidades.Em abono da Tesla, a empresa tem feito alterações para desincentivar os abusos por vezes cometidos pelos condutores, e agora até já exige que >mantenham as mãos no volante com muito maior frequência. Mas com tudo isto, aumenta ainda mais a curiosidade para saber quais serão as capacidades de >condução 100% autónoma prometidas para Agosto.> >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Tesla Model X acelerou antes da colisão mortal

    11 Junho 2018 >/>A NTSB já publicou um relatório preliminar sobre o trágico acidente que >vitimou o condutor de um Tesla Model X em Março, confirmando muito do que já se sabia, incluindo que o veículo seguia com o modo Autopilot activado, e que virou e acelerou contra a barreira de separação das vias de rodagem.>A NTSB (National Transportation Safety Board), entidade que está a investigar o acidente e que já tinha demonstrado o seu desagrado pela forma como a Tesla estava a divulgar informação publicamente que atirava a culpa para o condutor, limita-se por agora a revelar os dados que foram recolhidos e confirmados, deixando uma conclusão final para mais tarde.A Tesla continua a dizer apenas que o condutor tinha 150 metros de visão desobstruída e cinco segundos durante os quais poderia ter evitado o acidente; mas isso torna-se numa explicação simplista quando se espera que o carro simplesmente seguisse a via normalmente - coisa que não aconteceu, como foi demonstrado por outro condutor a >conduzir num Tesla precisamente no mesmo local. Também a anterior "desculpa" da Tesla, de que o sistema tinha dado alertas visuais e sonoros para que o condutor pusesse as mãos no volante, é enganadora, pois esses alertas tinham sido dados 15 minutos antes da colisão, sem qualquer alerta adicional nos instantes que precederam o acidente.O facto do carro ter acelerado e colidido com o separador da via - que infelizmente não tinha o sistema de amortecimento de choque, danificado num acidente na semana anterior - demonstra claramente que o sistema do carro não tinha detectado nenhuma anomalia e seguia como se fosse uma estrada normal.>/>Considerando que a Tesla está a prometer as primeiras >capacidades 100% autónomas já para Agosto, interrogo-me se não seria prudente primeiro garantir que o seu Autopilot tem capacidade para ver obstáculos parados à sua frente; já que para além deste colisão mortal, têm sido frequentes as colisões com outros veículos parados nas bermas. De certeza que estariam dispostos a confiar a vida a um sistema que ainda comete este tipo de erros?P.S. Como nota adicional referente aos cuidados acrescidos que se devem ter nos veículos eléctricos, a bateria deste Model X incendiou-se 5 dias após o acidente; isto depois de já ter sido inspeccionada com uma câmara térmica no dia do acidente, após ter começado a fumegar. Quer isto dizer que não se poderá "facilitar" no caso de acidentes que potencialmente possam ter comprometido a bateria do veículo - senão podem levar o carro para casa, passar uns dias a pensar que está tudo bem, e depois... descobrir que afinal não está! >> >> >> Aberto até de Madrugada »