• Uber vende negócio no Sudeste Asiático

    27 Março 2018 >/>A Uber está de saída do Sudeste Asiático, tendo vendido a operação na região à rival Grab. Segundo o Recode, o valor do negócio não foi revelado mas a Uber ficará com uma participação de 27,5% na empresa. >/> Dara Khosrowshahi, CEO da Uber, revelou num email enviado aos funcionários que a participação conquistada vale «vários milhares de milhões de dólares». Além disso, o executivo irá integrar a administração da Grab. Por seu turno, a Grab irá absorver cerca de 500 colaboradores da Uber, bem como a actividade da UberEats na região. Apoiada pela SoftBank e pela Didi, a Grab opera um serviço de táxi, um sistema de pagamentos online e, ainda, uma plataforma de serviços financeiros. «Um dos potenciais perigos da nossa estratégia global é que participemos em demasiadas batalhas em demasiadas frentes e com demasiados concorrentes. Esta transacção coloca-nos numa posição em que podemos competir com verdadeiro foco e peso nos principais mercados em que operamos, ao mesmo tempo que nos dá participações valiosas num conjunto de mercados grandes e importantes onde não estamos», refere Dara Khosrowshahi no mesmo email, reportado pelo Recode. (>Executive Digest) Automonitor »

  • Domino’s Pizza entrega encomendas em scooters 100% elétricas no Porto

    26 Março 2018 >As scooters da Cooltra já andam a distribuir pizzas um pouco por todo o lado. Uma excelente forma de contribuir para uma maior responsabilidade ambiental. >O conteúdo >Domino’s Pizza entrega encomendas em scooters 100% elétricas no Porto aparece primeiro em >Echo Boomer. Echo Boomer »

  • Skoda lança mini SUV para o mercado chinês

    26 Março 2018 >/>A Skoda vai lançar um pequeno SUV low cost na China, um novo modelo que é estratégico para os planos da marca, que pretende duplicar as suas vendas no maior mercado automóvel do mundo, até 2020. /> O novo SUV, que tem o nome de código Model Q, será revelado no Salão Automóvel de Pequim, no final de abril, e foi desenvolvido em parceria com a SAIC, o parceiro local da marca chega, reporta a Automotive News Europe. “É um crossover especialmente pensado para clientes que vive em cidades de médias dimensão”, explicou o CEO da Skoda, Bernhard Maier". O Model Q terá como base a plataforma PQ, que o Grupo Volkswagen usa para os seus modelos mais baratos e que também é usada pelo Skoda Rapid fabricado na China e será o mais pequeno nos SUV da marca. Este novo SUV será um rival directo dos pequenos crossovers das marcas chinesas. As vendas da Skoda na China cresceram 2,5% no ano passado, para 325 mil unidades. A China já é o maior mercado da marca checa, à frente da Alemanha (173.300 unidades) e da República Checa (95 mil). Os objetivos são atingir as 600 mil unidades até 2020 e os SUV são cruciais para atingir estes volumes.  Em 2017, a Skoda vendeu no mundo 2,3 milhões de automóveis, mais 6,6% que no na anterior. Na China, a Skoda lançou no ano passado o Kodiaq, um SUV médio de sete lugares, e este mês arrancaram as vendas do mais compacto Karoq. No plano de produtos está o lançamento de uma versão desportiva Kodiaq GT, com 5 lugares. O GT não será vendido na Europa, por não haver capacidade de produção disponível. Além do Model Q e do Kodiaq GT, a Skoda planeia ainda outro modelo específico para a China, embora os detalhes permaneçam ainda no segredo dos Deuses. ? Automonitor »

  • PSA reduz rede da Vauxhall em 50%

    26 Março 2018 >/>>A PSA quer reduzir a rede de distribuição da Vauxall em cerca de 50%, de 300 para cerca de 200 pontos, reporta a Reuters, com base numa fonte do grupo. /> >A redução da rede faz parte do plano de reestruturação da Vauxhall, a marca gémea da Opel no Reino Unido, que a PSA adquiriu no ano passado à General Motors. >  Automonitor »

  • Seat aposta na eletrificação em força com novo modelo totalmente elétrico

    25 Março 2018 A Seat anunciou um novo automóvel elétrico que chega ao mercado em 2020 e é o primeiro com este tipo de motorização em toda a história da marca espanhola.  Mais Tecnologia »

  • EMPRESAS ELÉTRICAS - Distribuidoras de eletricidade vão investir 158 milhões na Extremadura em três anos

    23 Março 2018 EFE »

  • Ofensiva elétrica SEAT: Primeiro modelo 100% elétrico chega em 2020

    23 Março 2018 >/>A SEAT irá lançar o seu primeiro modelo 100% elétrico em 2020 com autonomia de 500 quilómetros e fabricado sobre a plataforma MEB do Grupo Volkswagen - e, pela primeira vez, integrando um CUV na gama SEAT (Crossover Utility Vehicle). >/> Na apresentação anual de resultados aos meios de comunicação, em Madrid, Luca de Meo, Presidente da SEAT, divulgou ainda a estratégia para os próximos tempos: a marca espanhola vai lançar um novo automóvel a cada seis meses até 2020 - os primeiros serão o Tarraco e o CUPRA Ateca -, e no próximo ano será a vez da nova geração do SEAT Leon em duas variantes: a versão de 5 portas e o familiar ST. Além do primeiro elétrico prometido para 2020, a SEAT assume um passo em frente na direção da mobilidade elétrica ao incluir a versão híbrida da nova geração do Leon nos seus planos e, em paralelo, continuando a apostar nos veículos a gás natural comprimido (GNC) com motores de combustão. "Podemos estar felizes com os resultados de 2017, mas não devemos estar satisfeitos. Juntos, fechamos um período de consolidação e agora é chegado o momento de enfrentarmos o futuro com a ambição de crescer", afirmou de Meo durante a conferência. 2017: ano de recordes Depois de alcançar os melhores resultados da história em 2016, em 2017 a SEAT viu o seu lucro depois de impostos chegar aos 281 milhões de euros* - mais 21,3% face ao ano anterior (2016: 232) -, sem contar com o efeito extraordinário da venda da filial VW Finance, S.A. à Volkswagen AG. Por outro lado, o lucro operacional situou-se nos 116 milhões de euros (2016: 143) em consequência de maiores volumes e atividades de investimento com o lançamento de novos produtos com maiores depreciações. O volume de negócios da SEAT em 2017 alcançou o valor recorde de 9.552 milhões de euros, mais 11,1% em relação ao exercício anterior (2016: 8.597). A aceleração das vendas que levou à entrega de 468.400 veículos, resultando no número mais elevado desde 2001. Desde 2013, a faturação da SEAT aumentou em cerca de 50%. A ofensiva de novos modelos é consequência do maior volume de investimentos desde a construção da fábrica de Martorell, em 1992. O ano passado, a SEAT destinou 962 milhões ao investimento e gastou na investigação e desenvolvimento (I+D) mais 11,6% face a 2016 (862 milhões), isto é, 10,1% do total de volume de negócios da marca. Desde total, 464 milhões de euros destinaram-se integralmente à I+D. Este montante representa cerca de 3% do total de investimento em I+D em Espanha. Entre 2013 e 2017, a SEAT destinou mais de 3.300 milhões de euros ao seu futuro, principalmente através da maior ofensiva de produto, bem como ao desenvolvimento de novos serviços que permitirão atingir o objetivo de converter a empresa numa referência em termos de digitalização, conetividade e mobilidade inteligente. "Completámos o maior ciclo de investimento em 25 anos e, graças a este esforço na renovação e ampliação da gama de produtos, alcançámos recordes de faturação, nos lucros depois de impostos e antes de efeitos extraordinários e no cash flow", afirmou o vice-presidente para finanças, IT e Organização, Holger Kintscher. Em 2017, a SEAT também aumentou a capacidade de financiar a sua atividade com recursos próprios. Neste sentido, o cash flow cresceu 24,4% até alcançar um valor recorde de 947 milhões de euros (contra 761 milhões em 2016), que quase triplicou o de 2013, demonstrando a sustentabilidade financeira da empresa. A SEAT dispõe dos recursos necessários para enfrentar a transformação tecnológica do setor automóvel, garantindo a sua estabilidade financeira. Por outro lado, a SEAT exportou 81,1% do seu volume de negócios em 2017, consolidando-se como a principal empresa industrial exportadora de Espanha, com cerca de 3% do volume total do país. O objetivo da SEAT para os próximos anos é o de aumentar a internacionalização da marca e o de crescer fora da Europa. Do ponto de vista industrial, a SEAT estreou em 2017 a nova plataforma MQB A0 em Martorell com o lançamento do Ibiza e do Arona. Os dois modelos, juntamente com o Leon e o Audi Q3, que será substituído pelo Audi A1 no segundo semestre de 2018, elevaram a utilização da fábrica de Martorell para 95% da sua capacidade atual. A plataforma MQB A0 traz também estabilidade à unidade fabril, já que garante um alto volume de produção durante os próximos 10 anos. >/> ? Plano estratégico Na sua apresentação sobre os planos do futuro para a companhia, Luca de Meo sublinhou que o crescimento da SEAT assentará em quatro pilares: “mais marcas, mais mercados, mais automóveis e mais energias”. Assim, no primeiro trimestre do ano, a SEAT lançou a CUPRA que é, a partir de agora, “uma marca para gerar mais receitas, atrair mais clientes, continuar a apostar na competição, integrar de forma mais acessível as tecnologias como a eletrificação, a hibridização, a conetividade ou os assistentes de condução, impulsionando a imagem, a credibilidade e a reputação da SEAT”, explicou Luca de Meo. A SEAT também criou recentemente a XMOBA, uma nova companhia que terá como principal objetivo identificar, testar, comercializar e investir em projetos que contribuam para impulsionar soluções que melhorem a mobilidade do futuro. XMOBA e CUPRA juntam-se à SEAT Metropolis:Lab Barcelona, o digital-lab inaugurado em 2017 e participado a 100% pela SEAT, e que se integra na rede de IT-Labs do Grupo Volkswagen. As três novas empresas, juntamente com a SEAT, começam a formar “uma holding com uma atividade principal e pequenas empresas sobre o mesmo telhado. A nossa intenção é a de combinar o melhor de uma estrutura corporativa sólida com a agilidade, flexibilidade e velocidade das start-ups”. Em complemento, Luca de Meo reafirmou a aposta da SEAT em abrir-se para o exterior e construir um ecossistema digital à volta do automóvel. Nesta estratégia, destacam-se as colaborações e acordos com empresas como a Amazon Alexa, Shazam, Waze, Telefónica ou Saba. Luca de Meo também apontou a internacionalização da SEAT como outro dos pilares da estratégia. A empresa opera em mais de 80 países, mas apenas 15% das vendas são concretizadas fora da Europa. Neste sentido, as regiões estratégicas de crescimento são o Norte de África, onde a SEAT lidera um projeto do Grupo Volkswagen de montagem de veículos na Argélia, e na América Latina e México, onde a companhia estuda a viabilidade da produção. Além disso, nos últimos meses também se abriram mercados como a Noruega e a Nova Zelândia, o que permite a presença nos cinco continentes. A SEAT também participa na joint venture da Volkswagen Group e JAC, contribuindo com o seu apoio técnico e know how nas áreas de I+D e design. Para continuar a crescer, a SEAT prosseguirá na ampliação da gama com mais modelos. Luca de Meo anunciou que a “SEAT vai lançar um automóvel novo a cada seis meses até ao ano 2020” e revelou que “2020 será o ano da eletrificação na SEAT com o lançamento de uma versão híbrida Plug-in do Leon, construído na fábrica de Martorell, que terá uma autonomia de pelo menos 50 quilómetros, e do primeiro veículo 100% elétrico da marca, fabricado sobre a plataforma MEB do Grupo Volkswagen”. O primeiro veículo elétrico da SEAT, com as primeiras imagens já mostradas em vídeo, chegará ao mercado com um preço competitivo, contará com uma autonomia de 500 quilómetros e terá os sistemas de conetividade e de infotainment mais avançados do mercado e, pelo menos, o nível 2 na capacidade de condução autónoma. O presidente da SEAT também reafirmou o compromisso da empresa com os veículos de gás natural comprimido (GNC). “Lideramos o projeto de desenvolvimento técnico dos veículos de GNC dentro do Grupo Volkswagen. Com o Arona TGI, que lançaremos este ano, ficaremos com o único SUV em todo o mundo com propulsão a gás natural”. ? * Recorde-se que a SEAT prepara os seus resultados anuais de acordo com o Plano Geral de Contabilidade Espanhol, sem incluir as subsidiárias. O Grupo Volkswagen aplica normas internacionais de contabilidade (IAS/IFRS) e consolida os números da marca SEAT. Automonitor »

  • Carros vão poder guiar através do nevoeiro. Veja o vídeo!

    22 Março 2018 >O mau tempo pode tornar a condução extremamente perigosa, independentemente de quem estiver ao volante. Quando se trata de um nevoeiro muito denso os perigos são ainda maiores, uma vez que é praticamente impossível que um condutor veja mais do que alguns metros à frente de um veículo. Para dar uma resposta a esta situação, um grupo de investigadores do MIT desenvolveu um novo sistema que pode permitir a visibilidade nestas condições. A maioria dos sistemas de navegação autónomos utilizam câmaras e sensores que dependem de imagens e ainda feeds de vídeo gerados através da luz visível. Os seres humanos […] >A notícia >Carros vão poder guiar através do nevoeiro. Veja o vídeo! apareceu primeiro na >Leak. Leak »

  • PSA exclui fábricas alemãs da Opel dos novos planos de produção

    22 Março 2018 >/>O Grupo PSA vai aumentar a produção de motores e transmissões na Europa, de forma a integrar também as operações da Opel e Vauxhall. As fábricas alemãs da Opel estão fora dos planos de aumento da produção. ? /> O Grupo publicou ontem um plano de expansão da produção de motores e transmissões na Europa que exclui a Alemanha, país de origem de Opel e onde a PSA mantém em aberto negociações com os sindicatos, sobre as condições de trabalho nas fábricas da companhia. A PSA argumenta que as unidades da Opel têm custos de operação muito acima do que é o padrão do Grupo e está a negociar com os sindicatos uma forma de alinhar pelo benchmark do Grupo. O Plano de produção revelado indica que o reforço da produção de motores e transmissões de origem PSA, que passarão também a ser utilizadas pela Opel e pela sua marca gémea britânica Vauxhall, passe por unidades em França, Polónia e Hundria. A produção do motor 3 cilindros turbo gasolina vai ser imediatamente reforçada e, a partir de 2019, será a vez de aumentar o ritmo de fabrico de transmissões automáticas. ? >França, Polónia e Hungria Em comunicado oficial, a PSA explica que o plano vida a “aproximar o mais possível a produção de componentes das fábricas de automóveis”, preparando “as instalações industriais para a evolução do mix de motores de combustão interna, bem como para o incremento da eletrificação” . Estas evoluções permitirão ajustar a capacidade de produção de motores, à medida que os modelos Opel/Vauxhall passam a ser fabricados sobre plataformas do Groupe PSA e equipados com grupos propulsores e tecnologias do Grupo. Além da duplicação da capacidade de produção do motor 3 cilindros gasolina turbo, em França, em comparação com os volumes de 2016, já em curso nas fábricas de Douvrin e Trémery, o Grupo irá produzir os seus motores PureTech em Tichy (Polónia) e, a partir de 2019, em Szentgotthárd (Hungria). A partir de 2019, os volumes de produção de caixas de velocidades serão aumentados, graças a uma parceria estratégica assinada comos japoneses da AISIN AW, para a produção sob licença de caixas de velocidades automáticas em Valenciennes (França), que atingirá todo o seu potencial em 2020. Até ao presente, este componente tem sido produzido no Japão e na China. >Trémery será a base dos motores elétricos O Grupo irá, também, investir no aumento da produção das caixas de velocidades manuais ML em Metz-Borny (França) e MB6 em Aspern (Áustria), destinadas aos seus modelos topo de gama e a veículos comerciais, bem como para satisfazer a crescente procura originada pela produção de modelos Opel/Vauxhall. A fábrica de Trémery (França) para a produção de motores elétricos a partir de 2019, em antecipação à esperada aceleração de produção agendada para 2021, graças à joint-venture assinada com a Nidec, tendo em conta que em 2025 toda as gamas de veículos de todas as marcas do Grupo incluirão, pelo menos, uma versão eletrificada. Automonitor »

  • Skoda planeia nova fábrica fora da República Checa

    22 Março 2018 >/>O Grupo Volkswagen quer reforçar a capacidade de produção da Skoda, de forma a responder à procura cada vez maior por modelos da marca checa. Uma das hipóteses em estudo é a construção de uma nova fábrica fora da República Checa. /> Desde 2016, a marca tem vindo a reforçar a sua presença no segmento dos SUV, o que regista os ritmos de crescimento mais fortes, com o lançamento do Kodiaq e do Karoq (foto) e tem uma agenda carregada de 19 novos modelos até 2020, o que implicará a expansão da infraestrutura industrial da marca. As duas fábricas checas da marca estão neste momento a trabalhar em máxima capacidade, mas a produção não chega para as encomendas. Se a capacidade de produção não for aumentada, a Skoda poderá perder 360 mil unidades em vendas até 2020. Nos últimos cinco anos, as vendas da marca aumentaram cerca de um terço, para 1,2 milhões de unidades em 2017, impulsionadas pelos mercados europeu e chinês. O aumento da produção na fábrica checa de Mlada Boleslav, onde são produzidos atualmente meio milhão de veículos por ano, está complicado porque os sindicatos opõem-se ao alargamento do horário semanal de trabalho com dois novos turnos aos sábados, refere a Automotive News Europe, citando fonte do Grupo. O alargamento dos turnos criaria 3 mil novos postos de trabalho nas duas fábricas da Skoda na República Checa e permitiria que a unidade de Mlada Boleslav aumentasse a sua capacidade de produção para 83 mil unidades/ano. Os planos da marca passam também pela expansão global da marca. Os objetivos definidos no plano estratégico incluem a presença em 120 mercados, mais 20 que atualmente, ate 2025, colocando ainda mais pressão sobre o aparelho de produção. A hipótese de usar capacidade disponível noutras fábricas do Grupo Volkswagen é uma das alternativas à nova fábrica fora da República Checa. Além de modelos da própria marca, a nova fábrica poderá também produzir outros modelos do Grupo. No ano passado, os sindicatos alemães pressionaram o Grupo para transferir parte da produção da Skoda da República Checa para a Alemanha, para compensar a quebra de atividades nas fábricas alemãs, criando alguma angústia junto do governo Checo. Até porque permanece por definir onde serão produzidos os futuros modelos da Skoda. O problema é que as principais fábricas de modelos compactos do Grupo, que estão preparadas para montar modelos com base na plataforma MQB, estão a trabalhar já perto da capacidade plena. É o caso de Wolfsburg, junto à sede da Volkswagen, na Alemanha, da Ingolstdat, base da Audi, ou de Martorell, na Catalunha, centro de operações da SEAT. Automonitor »

  • Apple: Próximo iPhone X OLED vai ser mais barato !

    21 Março 2018 >Têm aparecido rumores atrás de rumores sobre novos produtos Apple mais baratos, mas o iPhone X é aquele que todos querem que o seu preço baixe. Pois bem, parece que podemos ter boas notícias! O iPhone X no nosso pequeno país custa 1179€ (o modelo base), um exagero. Claro que não podemos esquecer que é um dos smartphones que custa mais a construir, muito devido ao seu ótimo ecrã OLED fabricado pela rival Samsung e pelo conjunto de sensores que constituem a câmara TrueDepth. Mas mesmo assim a Apple ainda tem uma margem de lucro bem favorável. Devido a vários fatores, […] >A notícia >Apple: Próximo iPhone X OLED vai ser mais barato ! apareceu primeiro na >Leak. Leak »

  • O que não disse Mário Centeno

    21 Março 2018 O SNS e os portugueses podem contar com o ministro das Finanças?/> Público »

  • Queima das Fitas de Coimbra vai sofrer um corte de 150 mil euros

    20 Março 2018 A Queima das Fitas de Coimbra, que se realiza este ano de 04 a 11 de maio, vai sofrer um corte de 150 mil euros no orçamento, anunciou hoje a Comissão Organizadora. RTP » Correio da Manhã »

  • Reveladas primeiras fotos do novo Kia K900

    20 Março 2018 >/>A Kia Motors revelou as primeiras imagens (e detalhes) do novo K900 que será exibido durante o próximo Salão de Nova Iorque. >/> Desenvolvido para concorrer com o Mercedes-Benz Classe S, BMW Série 7 e Audi A8, o novo sedan de luxo da Kia contará com várias motorizações vindas do Genesis G80: o V6 3.3 litros biturbo de 370 CV e 510 Nm de binário, e o V8 de 5 litros e potência de 426 CV. A caixa é automática de 8 velocidades. Maior e mais amplo - a Kia revelou, no entanto, apenas a distância entre eixos: 3,10 metros -, o novo K900 ostenta uma nova grelha 'Nariz de Tigre' com 176 "diamantes pequenos" flanqueada por blocos ópticos com assinatura luminosa dupla. >/> O interior, que a marca se escusou a mostrar por enquanto (mas que uma publicação coreana conseguiu publicar, acima), contará com um design minimalista e acabamentos em couro genuíno. A mesma publicação avança ainda que a iluminação do habitáculo, desenvolvida com a Pantone, contará com 7 modos pré-selecionados e 64 configurações possíveis. >/> O novo K900 será produzido na Coreia e estará à venda nalguns mercados selecionados a partir do segundo trimestre deste ano. Automonitor »

  • Primeiro carro voador já aceita encomendas

    20 Março 2018 Os primeiros 90 modelos, personalizáveis, deverão chegar às mãos dos clientes no próximo ano, espera a holandesa Pal-V. Cada exemplar custará pelo menos 499 mil euros Visão »

  • Ganha uma lâmpada LED com sensor de movimento

    20 Março 2018 >/>Todas as semanas temos gadgets para vos oferecer, e desta vez a escolha recai sobre uma lâmpada LED com sensor de movimento integrado.>Têm alguma lâmpada que frequentemente fique ligada por longos períodos por se esquecerem de a desligar? Procuram uma solução simples, prática e barata, que não implique andar a mudar interruptores ou refazer a instalação para adicionar sensores? Então será difícil encontrarem melhor que algo como esta >lâmpada LED com sensor de movimento integrado e que - se se despacharem - poderão comprar por menos de 5 euros com o código de desconto GB11ZF.Claro que para um de vocês, a lâmpada será ainda melhor negócio, pois bastará participarem neste passatempo para se habilitarem a ganhar uma sem terem que gastar um cêntimo.>/>A lâmpada gasta 12W e produz 850lm, e libertará os utilizadores da preocupação de a desligarem quando já não estiver por perto - pois ela desligar-se-á automaticamente ao fim de 30 segundos de inactividade.Já sabem como funcionam os nossos passatempos semanais: ao longo dos próximos dias iremos colocando diferentes perguntas no formulário que se segue, e no final o mesmo será oferecido aleatoriamente entre os participantes que tiverem acertado correctamente pelo menos numa delas (sendo que mais respostas certas melhorarão as vossas probabilidades de ganharem - mas atenção, pois apenas conta a primeira resposta que derem a cada pergunta.)>Loading...Passatempo aberto a todos os participantes com morada em Portugal. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Primeiro ensaio Skoda Karoq 1.6 TDI 115 DSG: sem surpresas

    19 Março 2018 >/>>Depois do Kodiak chega o Karoq, ou como a Skoda está firme na construção de uma gama SUV completa. Primeiro ensaio em terras lusas com a versão turbodiesel com caixa DSG. >/>[quote align="right" color="#999999"]Surpreende pela qualidade do interior, pelo refinamento e pela agradabilidade que oferece a quem conduz e a quem nele viaja. Enfim, um carro muito bem conseguido e, sobretudo, capaz de seduzir uma clientela mais ampla[/quote] Depois de uma viagem de barco pelo azougado Rio Tejo, desembarque na outra margem na cidade do Seixal. Proposta do dia: cumprir o primeiro teste em solo português com o novo Karoq da Skoda. Percurso com menos de uma centena de quilómetros, muita chuva alguma lama e frio a rodos foram o pano de fundo para este ensaio a um modelo que vai estar à venda dentro de dias com dois níveis de equipamento e três motorizações com caixa manual ou dupla embraiagem DSG. Primeira etapa do percurso levou-me até ao Cabo Espichel. Oportunidade para ficar a conhecer mais alguns detalhes do Karoq, o substituto do Yeti, um carro mal amado mas que, ma minha opinião, era dos poucos mais ou menos SUV que exibia carácter e uma forma mais fora da caixa. Mas o Yeti já não existe e no seu lugar esta, então, este Karoq. Devido à utilização da mesma plataforma do Seat Ateca e de muitos outros modelos do grupo VW – a famosa MQB do grupo alemão – o novo Skoda é maior que o Yeti, exibindo 4,38 metros de comprimento, 1,84 metros de largura e 1,60 metros de altura e o estilo diferenciado do Yeti deu lugar a uma carroçaria elegante com zonas retas misturadas com outras mais arredondadas e uma frente onde pontifica a grelha típica da casa de Mlada Boleslav e os faróis finos com olheiras, perdão, farolins adicionais. A quem lhes chame os faróis “predadores”. Adiante! >Veja quanto lhe pode custar este Skoda Karoq 1.6 TDI 115 DSG >[xyz-ihs snippet="Simulador Cetelem v2"] Se o estilo exterior é muito agradável á vista – mesmo que seja possível vislumbrar alguns traços semelhantes ao espanhol Ateca – e consegue, mesmo, ser melhor que o Kodiaq, no interior o discurso não varia muito. >/>Confesso que fiquei impressionado com a qualidade exibida. É verdade que não tive tempo para andar a investigar plásticos de menor valia ou zonas com montagem menos fiável, mas quase 100 quilómetros depois e de muito buraco, muito ressalto e muita água, deixaram-me a ideia de fantástica qualidade na montagem e escolha de bons materiais. Por exemplo, todo o tablier está forrado com um plástico suave ao toque. E depois, numa época onde todos querem conectividade, o sistema Amundsen instalado na unidade que me serviu, impressiona pela qualidade dos grafismos, da resolução do ecrã e da rapidez do processador. Com uma distância entre eixos de 2,638 metros, o Karoq não tem problemas de habitabilidade. Naturalmente é mais acanhado que o Kodiaq e não tem sete lugares, mas também não é isso que se pretende. E porque o “Simply Clever” da Skoda tem de ser visível, o Karoq está equipado com os bancos VarioFlex, nascido no Yeti. Embora como opcional com um preço de 405 euros. E o que são estes bancos? Bom, permitem que possa rebatê-los assimetricamente e, se quiser, pode mesmo removê-los e deixá-los na garagem ou em casa, criando assim uma espécie de comercial. Contas feitas, a bagageira do Karoq tem 521 litros de capacidade, chega aos 1630 litros com os bancos rebatidos, mas se os retirar, a volumetria fica nuns espantosos 1810 litros. Sem rival! >/>Como referi acima, há muito espaço no interior do Karoq e há, também, uma excelente posição de condução. Elevada como se quer, mas com uma boa relação entre o volante, banco e pedais. A visibilidade é excelente e graças a isso, nunca o Karoq me pareceu ter os mais de quatro metros que diz a fita métrica. Mesmo no meio das ruas do Seixal com algumas obras pelo meio, sempre pareceu ágil e simples de conduzir. Outra das coisas boas do Karoq é o seu equipamento. Desaparecendo o patamar base, a Skoda vende o Karoq apenas nas variantes Ambition e Style. O primeiro oferece, entre outras coisas, jantes de 17 polegadas, travagem de emergência, sensores de estacionamento traseiros, Bluetooth, volante multifunções, sistema de info entretenimento com rádio Bolero, Smart Link , Voice Control, ar condicionado automático, auxilio ao arranque em declive, sensores de chuva e lux, faróis de nevoeiro, enfim, uma lista muito interessante de equipamento. Já a variante Style, adiciona a tudo isto Bluetooth ligado á antena e com WLAN, monitorização do ângulo morto traseiro, câmara de visão traseira, sistema de navegação e de info entretenimento Amundsen, cruise control com limitador de velocidade, bancos dianteiros reguláveis em altura, abertura e fecho das portas e arranque sem chave, faróis full LED com AFS (faróis ativos), faróis de nevoeiro LED com função de iluminação em curva, entre muitas outras coisas. Depois há uma longa lista de opcionais que enriquecem o interior e o exterior do Karoq (há jantes de liga leve até 19 polegadas), basta que o seu bolso seja fundo o suficiente para isso. Deixo-lhe aqui o exemplo de um par de pacotes de equipamento. Para o Ambition o Pack Driver Assist (1200 euros) que conta com sensores de estacionamento à frente e atrás, sistema de navegação Amundsen, carregamento do smartphone por indução, faróis máximos automáticos, monitorização do ângulo morto. Depois, o Pack Safety (905 euros) que inclui o acesso e arranque sem chave, alarme, vidros traseiros escurecidos, mesas retrácteis, sensores de estacionamento nos dois extremos do carro. O Pack Tech (850 euros) inclui o sistema Amundsen, carregamento do smartphone wireless, câmara traseira e Bluetooth com WLAN. Para o Style, apenas o Pack Exclusive (2140 euros) e que contempla sistema de navegação Columbus, Lane Assist, máximos automáticos, Bluetooth com WLAN, rSAP e LTE, carregamento sem fios do smartphone, abertura e fecho elétrico da bagageira e o Park Assist. A gama portuguesa do Karoq conta com três motorizações, uma a gasolina (1.0 TSI 116 CV com caixa manual ou DSG) e duas diesel (1.6 TDI 116 CV com caixa manual ou DSG e o 2.0 TDI 150 CV, com caixa manual ou DSG e apenas tração integral. A versão Ambition conta com dois motores (1.0 TSI e 1.6 TDI), a Style conta com os três blocos. Quanto a preços, o 1.0 TSI 116 CV Ambition custa 25.672 euros, o Style fica por 28.992 euros. Com caixa DSG de sete velocidades, o preço passa, respetivamente, para 27.771 e 31.092 euros. Com o bloco TDI de 1.6 litros, o Ambition custa 30.564 euros, o Style fica por 33.886 euros. Com a caixa DSG, esta cifras são de 32.660 euros para o Ambition e 35.986 euros para o Style. Contas feitas, a diferença de preços entre o motor a gasolina e o diesel ronda os cinco mil euros. 5 mil euros, leu bem! Finalmente, com o motor 2.0 TDI 150 CV, o Karoq custa 39.284 euros ou 42.901 euros com a caixa DSG e o equipamento Style para ambos. >>/>E que tal o Karoq em andamento? Foram poucos quilómetros, mas ficou para mim claro que este é um carro que se destaca pelo conforto, refinamento e versatilidade. Suspensões com longo curso, suaves e pneus pouco radicais (com ombros largos) permitem que o conforto, mesmo em mau piso, seja bom. No fundo, é um carro calmo como o Kodiaq e que mantém a postura mesmo nos pisos mais degradados. E acreditem que foi o “pão nosso de cada dia” durante a quase centena de quilómetros cumpridos. Outra coisa que me impressionou foi o silêncio a bordo. Uma bela insonorização e bom controlo do ruído de rolamento que quase é colocado em causa devido aos espelhos, geradores de alguns ruídos aerodinâmicos. Claro que sendo um carro alto e com uma boa altura ao solo, o Karoq tenha tendência a mexer mais a carroçaria em curva, mas nada que possa ser considerado preocupante, pois nunca sentimos o controlo escapar-nos da mão e a aderência, mesmo em pisos encharcados, é muito boa. Não é um desportivo, longe disso, mas encaixa com alguma naturalidade maus tratos infligidos numa estrada mais sinuosa como aquela a caminho do Cabo Espichel. >Veredicto Não é definitivo, mas a primeira imagem é importante, tendo o Karoq deixado excelente impressão. Não é um carro divertido de conduzir depressa – não há nenhum SUV que o seja e nem esse é o objetivo da Skoda, presumo – e sendo uma cópia quase a papel químico do Kodiaq e com muitas semelhanças ao Ateca, não tem uma personalidade vincada. Porém, surpreende pela qualidade do interior, pelo refinamento e pela agradabilidade que oferece a quem conduz e a quem nele viaja. Enfim, um carro muito bem conseguido e, sobretudo, capaz de seduzir uma clientela mais ampla. Como disse após a apresentação do carro em Itália, vai direitinho ao topo do segmento! >FICHA TÉCNICA >Skoda Karoq 1.6 TDI 115 DSG Style Motor 4 cilindros em linha, injeção direta, turbodiesel; Cilindrada (cm3) 1598; Diâmetro x curso (mm) 79,5 x 80,5; Taxa compressão 16,2; Potência máxima (cv/rpm) 116/3250 - 4000; Binário máximo (Nm/rpm) 250/1500 - 3200; Transmissão e direcção Tração dianteira, caixa automática DSG de 7 vel.; direção de pinhão e cremalheira, com assistência elétrica; Suspensão (fr/tr) Independente tipo McPherson; eixo de torção; Dimensões e pesos (mm) Comp./largura/altura 4382/1841/1603; distância entre eixos 2638; largura de vias (fr/tr) 1576/1541; travões fr/tr. Discos vent./discos; Peso (kg) 1366; Capacidade da bagageira (l) 521/1630; Depósito de combustível (l) 50; Pneus (fr/tr) 205/55 R17; Prestações e consumos aceleração 0-100 km/h (s) 10,9; velocidade máxima (km/h) 188; Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) 4,3/4,6/4,4 (consumo real medido 5,1 l/100 km); emissões de CO2 (g/km) 117; Preço da versão ensaiada (Euros) 35.986 [gallery type="slideshow" size="full" ids="97960,97959,97962,97961,97965,97966,97967,97968,97969,97970,97964,97963"] Automonitor »