• Líder da oposição do Senegal libertado sob fiança

    8 Março 2021 Detido na quarta-feira, Ousmane Sonko está agora sob supervisão judicial. Os seus apoiantes, que culpam o governo de Macky Sall de querer afastar o opositor, continuam a protestar nas ruas de Dacar./> Público »

  • Senegal: opositor Ousmane Sonko livre, mas sob custódia judicial

    8 Março 2021 >A detenção do opositor senegalês Ousmane Sonko por desacatos à ordem pública foi levantada na noite de 7 de março, mas apesar de livre ele continua sujeito ao regime de termo de identidade e residência, depois de ter comparecido hoje perante a justiça, para responder às acusações de violação apresentadas por uma empregada de um salão de massagem. >Cinco dias depois da detenção na Esquadra da Polícia em Dacar, a capital senegalesa, Ousmane Sonko, principal opositor político senegalês e presidente do Partido PASTEF / Les Patriotes foi na noite de domingo, 7 de março, ilibado das acusações de desacato à ordem pública, mas compareceu de novo esta segunda-feira, 8 de março, perante o juiz Samba Sall, sem os seus advogados, que foram proíbidos de entrar no tribunal.>Ousmane Sonko, foi libertado e ficará sob termo de identidade e de residência.>Foi-lhe retirado o passaporte e o opositor está ainda proibido de falar à Comunicação Social e ao público.>Em todo caso, a população continua a manifestar-se no país pelo direito a uma democracia sã.>De acordo com a classe política senegalesa e a sociedade civil este acto é um atentado contra a democracia senegalesa e contra o principal opositor Ousmane Sonko.>Recorde-se que Ousmane Sonko, foi acusado por um lado de violação e ameaças por uma empregada de um salão de massagens e por outro na sequência dos protestos que se seguiram, de ter fomentado desacatos à ordem pública.>Esta detenção do líder da oposição Ousmane Sonko causou uma grande revolta no seio da população senegalesa, o que provocou várias perdas humanas assim como saques nos super-mercados e bombas de gasolina, que representam empresas francesas como é o caso nomeadamente da Total e Auchan.>Após o anúncio da sua libertação e manutenção sob custódia judicial a tensão acalmou nas ruas de Dakar, que estavam sob forte aparato policial e militar, com patrulhas de carros e tanques blindados do exército, designadamente em redor do Palácio Presidencial, mas registaram-se no entanto alguns distúrbios nos bairros de Parcelles d'Assainies e Colobane, bem como na universidade Cheich-Anta-Diop.>Resta saber se nas próximas horas a calma se vai manter  e a populaçõ acatar os apelos da responsáveis políticos, religiosos, diplomatas ou ainda da CEDEAO. RFI »

  • Ousmane Sonko é mantido sob custódia policial após distúrbios no Senegal

    5 Março 2021 >O opositor senegalês, Ousmane Sonko, permanece  sob custódia policial depois da sua comparência perante um tribunal de Dakar, na sexta-feira. Preso há dois dias por acusações de  perturbação a ordem pública, Sonko que  foi em 2019 candidato à eleição presidencial, tem criticado severamente o presidente Macky Sall. A sua detenção resultou em distúrbios violentos, nomeadamente na região de Dakar, onde 14 supermercados da rede francesa Auchan, foram vandalizados.    >A prisão de Ousmane Sonko, há dois dias,pelas autoridades senegalezas desencadeou uma vaga de violência sem precedentes nos últimos anos, no país  francófono da África ocidental. Sonko, principal crítico da gestão do  presidente Macky Sall, é acusado de perturbar a ordem pública. >Os seu partidários, através do país reagiram violentamente a prisão do opositor. Viaturas  foram inendiadas e  edifícios públicos foram atacados, obrigando as autoridades  senegalesas a aplicar um dispositivo de segurança emergencial, em redor do palácio presidencial, da Assembleia Nacional e dos tribunais,  m Dakar.>De acordo com o procurador Etienne Ndione, o opositor Ousmane Sonko, foi  mantido sob custódia policial  por  perturbação da ordem pública.>Os  partidários de Sonko,que pedem a sua libertação, decidiram na  sexta-feira, convocar novas manifestações de protestos.>De  salientar que ,a rede francesa de supermercados, Auchan,  anunciou que 14  armazéns do grupo, foram alvos de saques e vandalismo, na capital senegalesa. >A sede do diário governamental Le Soleil, assim como a estação de rádio RFM, do grupo de media do qual é proprietário o cantor e ex-ministro Youssou Ndour, foram também  atacados durante os protestos a favor da libertação de Sonko.>Com 46 anos e  devoto muçulmano, Ousmane Sonko, desfruta de grande popularidade no seio da juventude senegalesa. >Em 2019, ele foi o terceiro candidato mais votado na eleição presidencial. Todavia as  recentes acusações de  violação, de que foi alvo Sonko, por uma empregada de um salão de massagens, que o levaram a comparecer diante da justiça, na passada quarta-feirta, poderiam segundo os analistas locais, afectar a sua carreira política.  Sonko nega as acusações, de que é objecto. Ousmane Sonko ainda deve ser julgado pelo caso de violação.>A  violência  dos  protestos, desencadeada na quarta-feira, provocou a morte,na quinta-feira, de uma pessoa em Bignona, no sul do Senegal, assim  como a de um jovem em Yeumbeul, nos  subúrbios de Dakar.  >O executivo senegalês  anunciou que tomará todas medidas, para assegurar a ordem pública e acusou vários media de propagarem informações tendenciosas.>Os canais de televisão locais, Sen TV e  Walf TV foram  suspensos pelo período de 72 horas, por segundo as autoridades terem transmitido exaustivamente imagens dos distúrbios.>>> >              > >  RFI »