• Altice, NOS e Vodafone apresentam-se no leilão do 5G

    28 Novembro 2020 No meio de um processo algo conturbado e algumas ações em tribunal, os operadores portugueses acabaram por entrar na corrida pelas faixas do 5G. Bit »

  • Guerra no 5G. O que está em causa no duelo entre empresas e regulador?

    27 Novembro 2020 Nas últimas semanas, o ruído em torno do 5G tornou-se ensurdecedor. Regulador e operadores estão de costas voltadas no arranque do leilão da nova tecnologia móvel que, numa primeira fase, estará essencialmente ao serviço da digitalização das empresas./> Público »

  • ANACOM acusa aumento de 6,5% nas telecomunicações em Portugal

    25 Novembro 2020 Entre o final de 2009 e finais de 2020, o preço médio das telecomunicações em Portugal aumentou 6,5%, em contramão com a média na União Europeia (UE) em que os preços desceram 11%. Os dados foram agora avançados pelo centro EUROSTAT. As métricas foram partilhadas também pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) na última terça-feira, citando o relatório completo da agência europeia. É mais uma investida do regulador contra a MEO (Altice Portugal), NOS e Vodafone. Preço das telecomunicações baixou 11% na Europa, subiu 6,5% em Portugal Variação nos preços das telecomunicações. Crédito: ANACOM "A diferença estreitou-se com a entrada em vigor no dia 15 de maio de 2019 das novas regras europeias que regulam os preços das comunicações intra-UE", destacou a ANACOM, no comunicado à imprensa divulgado esta terça-feira (24). Atendendo aos valores referidos no gráfico supra, apenas a Eslovénia e a Roménia registaram um aumento superior no preço das telecomunicações durante o período em apreço, de 7,2% e 17,6%, respetivamente. Fora do relatório estão o Reino Unido, Irlanda, Malta, Suécia e Estónia, países para os quais a Eurostat não colheu dados, por conseguinte, não sendo tidos em conta nas observações do regulador português. "As diferenças entre a evolução de preços das telecomunicações em Portugal e na U.E. devem-se sobretudo aos “ajustamentos de preços” que os prestadores implementaram durante vários anos, normalmente nos primeiros meses de cada ano.", comenta a ANACOM. Preços elevados face a outros países da União Europeia Evolução dos preços das telecomunicações em Portugal e na EU. Crédito: ANACOM O regulador nacional aponta os preços elevados nas ofertas de serviços de comunicações eletrónicas quando comparados com a média da UE e, casuisticamente, face à maioria dos Estados Membros. A tendência, aliás, continuaria a agravar-se não fossem as diretivas europeias obrigarem a uma diminuição dos preços das chamadas intra UE, por exemploç A conclusão é óbvia e preocupante. "Portugal continua a registar preços de retalho das ofertas de serviços de comunicações eletrónicas elevados por comparação com os de outros países da União Europeia", aponta a ANACOM. O regulador aponta ainda que "Várias organizações internacionais independentes têm efetuado ao longo dos anos comparações internacionais de preços de telecomunicações para o segmento residencial. Os resultados das comparações de preços mais recentes promovidas pela Comissão Europeia são apresentados nos gráficos seguintes. ( ATENÇÃO: quanto mais baixo o valor do índice, mais elevados são os preços)", destaca o regulador. Fonte dos dados: CE, DESI 2020. Crédito: ANACOM O mesmo cenário é constatado ao analisar os preços das ofertas convergentes - vulgo pacotes 4P ou 5P - com os serviços de TV+NET+VOZ+MÓVEL, por exemplo. Também nessa ótica, os preços em Portugal ocupam a quinta posição entre os preços mais elevados na EU. A tendência é observada em todo o espectro de ofertas da MEO (Altice Portugal), NOS e Vodafone, enquanto maiores operadoras em Portugal. Algo que o regulador expôs agora em diversos gráficos, ilustrando a nossa posição face à UE. Pacotes 4P/5P em Portugal ocupam a quinta posição entre os mais caros da UE Fonte dos dados: CE, DESI 2020. Crédito: ANACOM Ao observar os preços dos pacotes 2P (NET+VOZ), os chamados serviços individualizados de voz e internet, registou as mesmas conclusões. Também nessa ótica ocupamos o 5.º lugar com a oferta mais cara entre o grupo de países observados. Por outro lado, ao estudar as ofertas de banda larga isolada (internet), Portugal ocupa a sétima posição entre os preços mais elevados. O regulador partilhou ainda as suas conclusões relativamente à taxa de variação homóloga da mensalidade mínima por tipo de oferta, reportando-se ao mês de outubro de 2020 e cujas constatações podem ser observadas em seguida, no gráfico infra. A NOWO destaca-se positivamente face à MEO, NOS e Vodafone Variação nas mensalidades por tipo de oferta. Crédito: ANACOM "A evolução dos preços das Telecomunicações", cabeçalho do relatório divulgado pela ANACOM, dá conta das variações das mensalidades nos serviços e ofertas avaliadas. O destaque positivo vai para a NOWO, operadora mais barata. Por outro lado, a MEO, NOS e Vodafone têm mensalidades mais baixas para dois tipos de ofertas, mas no que diz respeito ao acesso à Internet, é a NOWO quem pratica os melhores preços. A mensalidade de 20 euros é a mais baixa nesta oferta, sendo 20% mais acessível que a dos restantes prestadores de serviços. Por fim, a ANACOM volta a apontar o dedo ao aumento concertado da mensalidade nos pacotes 3P. Aqui, tanto a MEO como a NOS e Vodafone aumentaram os preços em 3,3% entre os meses de outubro e novembro de 2020. Editores 4gnews recomendam: ANACOM é instada a alterar as regras do leilão 5G pela APDC Vodafone, MEO e NOS sobem os preços do serviço de Internet + TV e baixam a velocidade da internet MEO é o operador com mais reclamações? Altice Portugal refuta a ANACOM ANACOM expõe subida de preço e diminuição na qualidade da MEO, NOS e Vodafone NOS tece críticas à ANACOM, nega aumento de preço e sugere boicote no 5G Vodafone pode deixar de investir em Portugal após revelação da ANACOM 4gnews »

  • Vodafone Portugal interpôs providência cautelar contra regras do leilão do 5G

    24 Novembro 2020 Vodafone Portugal pede que seja anulada a decisão da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), que, em reunião de 30 de outubro, aprovou o regulamento do leilão. Correio da Manhã »

  • ANACOM é instada a alterar as regras do leilão 5G pela APDC

    24 Novembro 2020 O leilão 5G mantém as operadoras nacionais como a MEO (Altice Portugal), NOS e Vodafone num contínuo braço de ferro com a ANACOM, a entidade reguladora do setor. Agora, no entanto, junta-se uma nova voz à causa defendida pelas operadoras. Com efeito, a Associação para o Desenvolvimento das Comunicações, doravante designada de APDC, expressou no início desta semana uma "enorme preocupação" perante a controvérsia em torno do 5G e a previsível contração do investimento. É imperativo alterar as regras do leilão 5G A audaz afirmação da APDC foi feita na semana em que termina o prazo para as candidaturas ao leilão 5G. Note-se que é este mesmo processo que tem sido alvo de críticas por parte da MEO, NOS e Vodafone, as principais prestadoras de serviços do setor. A associação quer ver um equilíbrio nas regras, desejando alterações "no sentido de as tornar mais equilibradas e equitativas" face aos principais interessados. Isto é, um repensar das condições para que estas não se revelem demasiado penosas para as operadoras, por conseguinte, podendo provocar uma retração severa no investimento. Em comunicado à imprensa datado de 24 de novembro, a APDC destaca o seguinte: "O ecossistema da APDC considera, em comunicado que para o sucesso do 5G, é imperativo garantir uma dinâmica integrada, que envolva todos os stakeholders: fabricantes, operadores, reguladores, construtores de aplicações, poder local, poder central e sociedade. Por isso, têm de ser criados reais incentivos ao investimento, seja no reforço da cobertura territorial em 4G, seja nos investimentos futuros no 5G. Parece ainda ser imperativo alterar as regras do leilão, no sentido de as tornar mais equilibradas e equitativas para todos os interessados, podendo servir de inspiração o que de melhor se tem feito na Europa. A Associação defende que a implantação do 5G tem de ser um momento para Portugal continuar a afirmar a posição de liderança que sempre tem mantido.", refere a associação. A severidade da ANACOM para com a MEO, NOS e Vodafone Da análise do comunicado à imprensa deduz-se uma preocupação com um equilíbrio delicado. De um lado, o bloco empresarial composto pela Altice Portugal (MEO), NOS e Vodafone. Do outro, a livre concorrência de mercado e respetivo fomento. Para a APDC, as severas condições impostas pelo regulador às interessadas no leilão do 5G pode afetar irremediavelmente o desenvolvimento deste novo padrão de redes. Algo que, naturalmente, poderá ser muito penoso para Portugal. Proteção da concorrência no mercado vs proteção do investimento "A APDC, enquanto plataforma de debate e reflexão de todos os temas decisivos e mobilizadores da transformação para o digital, que representa cerca de 80% do setor das TIC do mercado nacional, assiste assim, com enorme preocupação, à controvérsia em torno do leilão para a atribuição de frequências. Tanto mais porque a mesma parece poder conduzir a uma enorme contração de investimento, em particular num momento em que o país precisa de revitalização, resiliência e de retoma económica. Esta controvérsia assenta no binómio proteção da concorrência no mercado vs proteção do investimento. A solução protagonizada neste leilão facilita a entrada de novos operadores, com privilégios a eles concedidos que desprotegem o investimento já realizado pelos atuais operadores, sem exigir, em contrapartida, investimento efetivo aos novos entrantes, comprometendo assim o total do investimento a realizar por todos." avança a Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações. Ainda de acordo com a APDC, as regras para o leilão 5G nivelam por baixo o grau de exigência para quem quiser entrar no mercado nacional. De igual modo, tal postura pode criar um desinvestimento das atuais empresas prestadoras de serviços. A crucial importância do 5G para Portugal "O 5G é mais que uma geração de tecnologia de comunicações eletrónicas. É uma tecnologia estratégica que será um dos pilares da sociedade digital na próxima década e que representará uma transformação fundamental do papel que as comunicações móveis desempenham nas nossas vidas.", começa por afirmar a APDC. "A implantação e desenvolvimento das redes 5G funcionará como um extraordinário catalisador de inovação. Para além de mais e melhor conetividade, antecipa-se uma ampla gama de novas aplicações e serviços digitais em diversos setores, como a mobilidade automatizada conectada, o eHealth, a gestão de energia ou a gestão de tráfego, entre outros, tirando partido de ligações quase omnipresentes entre pessoas, indústria, serviços e objetos.", ressalva a associação. O motor da Quarta Revolução Industrial Ainda de acordo com o comunicado à imprensa, "O consenso crescente é o de que o 5G dará início à Quarta Revolução Industrial e mudará a economia, prevendo-se que apoiará a criação de 22 milhões de empregos em todo o mundo." Já em jeito de conclusão, a APDC deixa o aviso "Assim, é do interesse de todas as empresas do ecossistema digital representadas na APDC, bem como de todos os seus clientes, que a implantação do 5G em Portugal seja um sucesso. Quer do ponto de vista de captação de investimento, quer da inovação, e tendo como objetivo final o suporte a uma grande diversidade de serviços prestados aos clientes, a par do crescimento e sofisticação da nossa economia." Em síntese, perante o exposto a APDC apela a uma alteração das regras de acesso ao leilão das redes 5G, uma incumbência da ANACOM. Sem querer sacrificar a livre concorrência de mercado, a associação considera o 5G um "bem-maior". Editores 4gnews recomendam: Vodafone, MEO e NOS sobem os preços do serviço de Internet + TV e baixam a velocidade da internet MEO é o operador com mais reclamações? Altice Portugal refuta a ANACOM ANACOM expõe subida de preço e diminuição na qualidade da MEO, NOS e Vodafone NOS tece críticas à ANACOM, nega aumento de preço e sugere boicote no 5G Vodafone pode deixar de investir em Portugal após revelação da ANACOM 4gnews »

  • Operadores portugueses amuados com ANACOM devido a concorrência no 5G

    23 Novembro 2020 >/>Os três principais operadores portugueses - Vodafone, NOS, Altice / MEO - têm feito oposição em bloco à ANACOM, e tudo se deve à intenção do regulador de atrair novos operadores com o leilão para o 5G.>O mais recente episódio da novela operadores vs Anacom surgiu com a constatação que os operadores nacionais têm estado a trabalhar em cartel para >aumentarem os preços e piorarem as condições dos seus serviços. Uma constatação que foi recebida com enorme >indignação por parte dos operadores que, na sua melhor tradição de quererem manipular a realidade brincando com palavras e detalhes técnicos, acusaram que essas coisas que qualquer pessoa pode facilmente comprovar, >são mentira. Mas então, de onde vem toda esta indignação e hostilidade dos operadores para com a Anacom? E a resposta é simples: do leilão para o 5G.A Anacom deixou os operadores nacionais literalmente em estado de pânico, quando anunciou que novos operadores estrangeiros que quisessem vir para Portugal com o 5G iriam ter um desconto de 25% na reserva das frequências para o 5G. Algo que imediatamente resultou em processos por parte dos operadores, e que acabou por ser removido. No entanto, permanecem algumas condições para novos candidatos que o trio de operadores não apreciam, como o facto de serem forçados a facilitar o acesso em "roaming" a um novo operador, durante um prazo de 10 anos; e que esse novo operador tenha menos exigências a nível de cobertura - condições que a Anacom considera serem indispensáveis para atrair verdadeira concorrência neste sector, apesar de todas as >pressões que têm sido feitas para tentar alterar as regras do leilão.Temos anos de provas de como o mercado das telecomunicações em Portugal está completamente viciado e funciona em cartel, e todas estas polémicas recentes se devem apenas ao receio deste cartel ser confrontado com um novo operador que chegue ao nosso país e não faça parte do "grupinho" que tem o mercado completamente subjugado. A Anacom está longe de ter um trabalho exemplar (veja-se o desastre do TDT), mas esperemos que desta vez as suas intenções se venham a concretizar - sendo que o mais importante é que a chegada de um novo operador venha efectivamente trazer concorrência ao mercado, e não apenas passar um cartel de três para um cartel de quatro. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Tecnológicas e operadores consideram “imperativo” mudar regras do leilão 5G

    23 Novembro 2020 A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC) diz que condições definidas pela Anacom para o leilão da quinta geração móvel ameaçam investimento e inovação./> Público »

  • Rendimentos das empresas de media em Portugal caíram 0,9% em 2019

    20 Novembro 2020 Ainda assim, a contração de 2019 foi menor do que a registada em 2018. Correio da Manhã »

  • MEO, Vodafone, NOS e NOWO com filmes e séries à borla este fim-de-semana: as nossas sugestões

    20 Novembro 2020 Este fim-de-semana os habitantes de 191 concelhos em Portugal têm recolher obrigatório a partir das 13h. Mas não lhes faltará bom cinema e séries, qualquer que seja a sua operadora. Canais TVCine em sinal aberto na MEO, NOS, NOWO e Vodafone Sejas cliente da MEO, NOS, NOWO ou Vodafone, este fim-de-semana os canais TVCine vão estar disponíveis em sinal aberto. Isto significa que desde esta sexta-feira (20) até domingo (22), vais poder assistir a mais de 150 filmes em qualquer ecrã. Isto porque no comunicado é referido que poderás ver tanto na box, como no computador, tablet ou smartphone. Tens assim acesso a quatro canais: Top, Edition, Emotion e Action durante estes três dias. Desde as estreias de filmes mais recentes, e filmes de culto, deixo-te algumas sugestões. Sexta, 20 de novembro, 21h30 - Bombshell - O Escândalo (TVCine Top) Trailer | O Escândalo (Bombshell) Legendado Sábado, 21 de novembro, 00h40 - Shining (TVCine Action) Sábado, 21 de novembro, 23h15 - Midsommar, O Ritual (TVCine Top) MIDSOMMAR | Official Trailer HD | A24 Domingo, 22 de novembro, 00h50 - A Lagosta (TVCine Edition) Domingo, 22 de novembro, 10h35 - Robôs (TVCine Emotion) Robots | #TBT Trailer | 20th Century FOX Domingo, 22 de novembro, 15h05 - Tristeza e Alegria na Vida das Girafas (TVCine Edition) Domingo, 22 de novembro, 15h20 - O Filme do Bruno Aleixo (TVCine Emotion) O Filme do Bruno Aleixo | Trailer Legendado Estas são apenas algumas sugestões que te deixo a nível pessoal. Para consultares toda a programação e planeares para ver o que mais te agrada, podes consultar o site oficial dos canais TVCine. Se estiveres numa de ver Netflix ou Apple TV+, consulta neste artigo dedicado 10 séries que vale a pena ver. Num fim-de-semana onde sair de casa não é recomendado em boa parte do país, não faltarão razões para ficares colado ao sofá. Editores 4gnews recomendam: Amazon Prime Video tem uma funcionalidade que a Netflix devia copiar Preso em casa? 10 séries que vale a pena ver na Netflix e Apple TV+ Vodafone pode deixar de investir em Portugal após revelação da ANACOM 4gnews »

  • ANACOM expõe as provas do aumento de preços na MEO, NOS e Vodafone

    19 Novembro 2020 Em pé de guerra com as principais operadoras de Portugal, a MEO, NOS e Vodafone, a entidade reguladora do setor, ANACOM, veio a público expor várias capturas de ecrã dos websites destas empresas, sustentando assim as alegações prévias. Entretanto, a Altice Portugal, responsável pela operadora MEO, ripostou ironicamente, ao passo que a Vodafone alega mero ajuste no serviço. O mais recente capítulo na controvérsia que envolve os pacotes 3P foi primeiramente avançado pelo portal ECO. A ANACOM revelou vários "prints" da MEO, NOS e Vodafone As imagens mostram a oferta de pacotes triple-play (3) - serviço TV+NET+VOZ - das prestadoras de serviços de telecomunicação em Portugal entre outubro e novembro de 2020. A medida, ainda que inusitada, surge após as operadoras terem considerado como falsa a alegação da ANACOM que apontava a diminuição da qualidade do serviço prestado, bem como a subida do preço base. Preço dos pacotes 3P no website da MEO Recordamos que a ANACOM concluiu previamente que o aumento de preços surgiu em simultâneo, e na mesma proporção, e que é muito superior à taxa de inflação, incidindo sobre a mensalidade mais baixa dos pacotes 3P ( triple play ). O regulador apontou uma subida generalizada de preços para cerca de 31 euros, descartando promoções iniciais (nos primeiros seis meses) como no caso da MEO. A ANACOM denotou ainda que desde 2018 não existiam diferenças tão acentuadas nos preços. Preço dos pacotes 3P no website da NOS Evocando ainda as palavras do regulador, "Em simultâneo com o aumento de preços, registou-se também uma redução da qualidade deste tipo de ofertas nos três operadores, visto que a velocidade de download anunciada baixou de 100 Mbps para 30 Mbps." Portanto, duas dos operadoras em Portugal, a MEO e a NOS, impuseram igualmente limites mensais de tráfego de dados fixos (500 GB e 600 GB, respetivamente). Tal prática não era observada desde os primórdios do mercado de banda larga. Preço dos pacotes 3P no website da Vodafone A ANACOM destaca também que esta prática partilhada pelas principais operadoras afetará um grande número potencial de consumidores. Isto de acordo com os seus dados em que 40% de todos os subscritores em Portugal optam pelos pacotes 3P. Perante tal acusação, as operadoras vieram gradualmente a público repudiar a postura da ANACOM. Catalogando-a como pura mentira, não correspondendo à verdade, ou indo mais além e acusando o regulador de estar a denegrir todo o mercado. A Altice Portugal satirizou o comunicado da ANACOM Agora, tal como na primeira "ronda", a MEO ironizou esta partilha de "prints" congratular-se "com o facto de a ANACOM vir publicamente reconhecer o seu erro, na acusação de aumento de preços por parte dos operadores de telecomunicações". Para a MEO, "a situação mencionada no estranho comunicado ontem emitido pela Autoridade das Comunicações refere-se apenas a uma de entre várias dezenas de alterações de novas ofertas a novos clientes, normais e recorrentes num mercado concorrencial, e que consubstanciam alterações de tarifários de acordo com as dinâmicas do mercado, adotando para cima ou para baixo o valor dessas ofertas". A ANACOM refere que as novas condições e preços se aplicação a novos subscritores, bem como a anteriores subscritores assim que pretendam renovar o seu contrato de prestação de serviços de telecomunicações. A NOS também já contrariou a ANACOM Fazendo juntar a sua voz à da MEO, também a NOS classificou como falso a hipótese de os atuais clientes serem afetados pelo eventual aumento assim que o período de fidelização terminar. O caso promete continuar a dar que falar. Em causa está o aumento de 3,3% no preço destes pacotes, além de os mesmos preverem uma diminuição na velocidade de acesso à internet. Para qualquer eventualidade, indicamos como rescindir o contrato com as operadoras, observando todos os trâmites necessários. Editores 4gnews recomendam: Vodafone, MEO e NOS sobem os preços do serviço de Internet + TV e baixam a velocidade da internet MEO é o operador com mais reclamações? Altice Portugal refuta a ANACOM ANACOM expõe subida de preço e diminuição na qualidade da MEO, NOS e Vodafone NOS tece críticas à ANACOM, nega aumento de preço e sugere boicote no 5G Vodafone pode deixar de investir em Portugal após revelação da ANACOM 4gnews »

  • Vodafone pode deixar de investir em Portugal após revelação da ANACOM

    19 Novembro 2020 A Vodafone deu a saber, através da figura do presidente executivo da Vodafone Portugal, que a operadora pode deixar de investir no nosso país. A crispação vem no seguimento do confronto de vontades entre a ANACOM e as operadoras nacionais. Ao passo que num primeiro andamento o conflito foi gerado pelo leilão 5G, recentemente explodiu a controvérsia exposta pelo regulador nacional após denúncias de subida de preços e diminuição na qualidade do serviço prestado pela MEO, NOS e Vodafone. Vodafone pode abster-se de investir em Portugal O tom firme do presidente da Vodafone Portugal, Mário Vaz, fez saber na última terça-feira que será muito difícil convencer os acionistas a investir no 5G em Portugal. Durante uma recente conferência, o responsável máximo pela Vodafone Portugal deixou bem claro o seu descontentamento após tomar conhecimento do regulamento para o leilão da rede móvel 5G. De acordo com Mário Vaz, o ano de 2020 deveria ter sido um ano de avanço nas telecomunicações, mas tal não se verificou. Aliás, o executivo lamenta o "momento de litigância" vivido entre o regulador nacional - ANACOM - e as principais operadoras. Estas declarações foram veitas durante um debate promovido pela Associação Empresarial de Comunicações de Portugal, segundo avança a TSF. Aí, a Vodafone fez somar as suas críticas às já expressadas pelas demais operadoras portuguesas. A exasperação causada pela ANACOM e a incerteza do 5G Para Mário Vaz, os termos impostos pela ANACOM "colocam em cheque a imagem de um país visto como uma referência europeia no setor". Vaz vai mais além e acusa a ANACOM de criar uma "realidade distorcida por inverdades", afirmando que a Europa tem vindo a perder terreno desde o advento do padrão GSM. Durante a sua intervenção, o responsável pela Vodafone Portugal repudiou a estratégia da ANACOM em fomentar um aumento de operadoras com o objetivo de reduzir os tarifários. Mário Vaz citaria o exemplo do mercado norte-americano em que existem 3 grandes operadoras, face à Europa em que existem 400, mas apenas 80 de grandes dimensões. Para Vaz, na Europa as redes têm que ser financiadas através de fundos europeus, ao que acrescenta "(...) a competitividade não se faz só por preço, nem esse é um pilar sustentável e Portugal é desse ponto de vista já muito competitivo, ao contrário do que é referenciado. Perante o rumo traçado pela ANACOM, que procura trazer mais players para o mercado das telecomunicações, Vaz avisa que tal gerará uma "deterioração da qualidade do serviço por diminuição do investimento". Paradoxalmente, pouco depois do discurso do presidente da Vodafone Portugal, foi a vez de João Cadete, presidente da ANACOM, vincar a ideia de que o concurso da rede 5G será um fator positivo para o mercado concorrencial em Portugal. Editores 4gnews recomendam: Vodafone, MEO e NOS sobem os preços do serviço de Internet + TV e baixam a velocidade da internet MEO é o operador com mais reclamações? Altice Portugal refuta a ANACOM ANACOM expõe subida de preço e diminuição na qualidade da MEO, NOS e Vodafone NOS tece críticas à ANACOM, nega aumento de preço e sugere boicote no 5G 4gnews »

  • Financiamento do Estado sobe para 7,0 mil ME até setembro

    19 Novembro 2020 /> O financiamento das administrações públicas foi de 7,0 mil milhões de euros até setembro de 2020, valor que compara com 1,3 mil milhões de euros negativos registados em igual período de 2019, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP). RTP »

  • MEO é o operador com mais reclamações? Altice Portugal refuta a ANACOM

    17 Novembro 2020 Foi no Portal do Consumidor que a ANACOM partilhou as suas observações alusivas ao mês de outubro. Aí, entre outras métricas, deu a saber que a MEO, empresa da Altice Portugal, foi o operador de telecomunicações com maior número de reclamações. Entretanto, a Altice Portugal veio a público refutar as alegações do regulador, acusando-o de falta de transparência. As críticas vão mais além e chegam a afirmar que a MEO é o operador com menor índice de reclamações por 1 000 clientes. As observações da ANACOM destacam negativamente a MEO Crédito: ANACOM O relatório da ANACOM começa por destacar o livro de reclamações eletrónico, plataforma que registou 5,3 mil reclamações sobre serviços de comunicações eletrónicas, mais 65% face a igual período do ano passado. Ainda de acordo com a reguladora, todos os principais operadores de serviços viram aumentar muito significativamente as suas reclamações face a igual período do ano anterior. As reclamações aumentaram significativamente face a 2019 A MEO foi o prestador de serviços mais reclamado com 2 mil reclamações, um aumento de +43%. No que lhe concerne, a operadora NOS foi aquele que registou o maior aumento das reclamações, um salto de + 78%. "Entre os assuntos mais reclamados, os problemas com a ligação inicial ou instalação, o cancelamento de serviços e o atendimento foram os que mais aumentaram (+89%, +79% e +62%, respetivamente). Isto face a outubro de 2019.", aponta o regulador. "A gestão dos contratos (23%), o cancelamento de serviços (19%) e as avarias (15%) foram os assuntos mais reclamados neste sector, em outubro de 2020.", acrescenta o seu mais recente relatório. A Altice Portugal já veio a público refutar a ANACOM Alexandre Fonseca, responsável máximo pela Altice Portugal "Os mais recentes dados divulgados pela ANACOM sobre reclamações no setor das comunicações são apenas mais uma clara tentativa do Regulador em denegrir o setor. Por maior esforço e empenho que este setor faça em termos de investimento em redes e infraestruturas de comunicação, em serviços e produtos inovadores, a ANACOM continua a denegrir de forma reiterada a imagem do setor em Portugal." pode ler-se no comunicado à imprensa. Acusação de falta de transparência e inconsistência da ANACOM "A Altice Portugal não pode deixar de registar a inconsistência e falta de transparência dos números divulgados, já que a ANACOM apresenta os valores absolutos, não tendo em conta o volume de Clientes por operador. A única forma intelectualmente honesta de apresentar as reclamações do setor, e que a ANACOM já chegou a fazer no passado recente, é reportar as reclamações por 1 000 Clientes." justifica a responsável pela operadora MEO. "Ora, o setor das telecomunicações tem um valor de ~0,37 reclamações por 1 000 Clientes, o que demonstra a qualidade do serviço prestado em Portugal, ao invés da mensagem que o Regulador passa. Esta média compara muito positivamente com outros setores que apenas prestam um tipo de serviço." avança a empresa no seu comunicado. "Hoje já ninguém tem dúvidas quanto ao motivo que leva o Regulador a utilizar diferentes critérios em documentos de grande importância para o mercado e para o setor. Enviesar completamente a leitura dos portugueses sobre o estado das telecomunicações em Portugal. MEO é o operador com menor índice de reclamações por 1 000 clientes A Altice Portugal faz, por isso, a análise por cada mil clientes, já que considera que esta é a única forma de garantir que a informação é transparente e útil, considerando a dimensão de cada um dos operadores.", aponta ainda a empresa sob a alçada de Alexandre Fonseca. Por fim, da leitura do comunicado à imprensa podemos concluir que a MEO quer vincar o seguinte ponto. "Em outubro, o MEO continua a ser o Operador com menor índice de reclamações por 1,000 Clientes: 0,35." Em jeito de cunho pessoal, estamos perante uma disputa acirrada entre o regulador português e a Altice Portugal em que uma apresenta dados absolutos e outra refuta com índices e percentuais. No meio de tudo, esperemos que o consumidor veja os seus interesses prosseguidos. Editores 4gnews recomendam: Vodafone, MEO e NOS sobem os preços do serviço de Internet + TV e baixam a velocidade da internet ANACOM expõe subida de preço e diminuição na qualidade da MEO, NOS e Vodafone NOS tece críticas à ANACOM, nega aumento de preço e sugere boicote no 5G 4gnews »