• Rui Rio ganhou o direito a liderar o PSD e a oposição

    10 Outubro 2019 Rio teve um discurso bastante lunático da noite das eleições, mas lá bem no fundo ele tinha razão: o PSD aguentou-se. E esse mérito deve-se a Rio e à campanha que ele fez./> Público »

  • Quatro pessoas da mesma família morreram ao tentar tirar uma selfie junto a barragem na Índia

    9 Outubro 2019 O país tem o número mais elevado do mundo de mortes ocorridas durante tentativas de tirar selfies Visão »

  • A geração que dá que falar

    9 Outubro 2019 i Online »

  • Resumo das Eleições Legislativas 2019

    8 Outubro 2019 >/>Mais umas eleições, mais uma voltinha. Ficou tudo na mesma, como sempre, mas houve algumas novidades que estão a dar que falar. Claro que a culpa foi da?abstenção que só foi a mais elevada de sempre porque há muita gente ainda sem telemóvel com câmara fotográfica que não conseguiu tirar foto ao boletim e publicar nas redes sociais e, assim, o voto não contou.O PS, sem surpresas, foi o partido mais votado. No seu discurso usou todas as buzzwords como ecologia e igualdade de género, e fez uma espécie de cock teasing, a dar esperanças a todos os partidos pequenos à sua esquerda. Resta saber se o PS tem familiares suficientes para fazer face ao aumento de número de deputados ou se terá de fazer outsourcing e ir aos primos em 3º grau. Por falar nisso, a polémica do nepotismo na política foi muito falada este ano e diz-se que a maioria dos deputados são familiares deste e daquele, mas, agora, há pelo menos um que temos a certeza ser familiar de uma prostituta. Não sei qual será o grau de parentesco - diria que é filho - mas já lá CHEGAremos.O PSD parecia ser um dos grandes derrotados da noite, mas pelo discurso de Rui Rio parece que ganhou. Notou-se que ele é do Sporting, pois esteve sempre a culpar os outros e gabou-se das pequenas conquistas como a taça da liga. O Rui Rio é daqueles que ficou contente com a derrota do Sporting na supertaça porque estava à espera do 10-0 e, assim, o 5-0 contou como vitória moral. Rui Rio deu um exemplo de como ser feliz na vida: estimar o horrível para o péssimo parecer bom. Nem eu com os copos fico com os padrões tão baixos como o Rui Rio. O Rui Rio varre a mais gorda e feia da discoteca e diz "Chupem! Tinham dito que ia sozinho para casa, mas ó para mim aqui a safar o mamute! Vitória!".?O CDS foi o grande derrotado da noite e o único que assumiu. Quer dizer, o Aliança também, por isso props para o Santana Lopes, político de carreira, que conseguiu tantos votos como o Tino de Rans. O Santana parece aquele jogador de futebol que já ganhou a Champions e que agora se arrasta num clube da distrital. É preciso saber quando pendurar as chuteiras ou, neste caso, as luvas. Voltando ao CDS, a Cristas demitiu-se e provou que rezar não serve de nada, já que foi à missa depois de votar e conseguiu perder 13 deputados na mesma. Isso ou até Deus acha o catolicismo do CDS ultrapassado e sabe que não se deve misturar religião com política. O único problema é que a?Cristas veio dar um bocado força à tese de que as mulheres estão bem é na cozinha, mas é preciso perceber que ter uma mulher a liderar um partido com os valores retrógrados?do CDS é como ter o Valete a liderar o Ku Klux Klan. Enfim, o CDS insiste em gays e mulheres como líderes, não percebendo que o parte do seu eleitorado católico os discrimina um bocado.O Bloco de Esquerda foi um dos vencedores da noite, todos fanfarrões, mas a piar fininho a dizer que estavam disponíveis para novo acordo com o PS. Quando percebes que a pessoa em quem estás de olho tem outras a fazerem-lhe olhinhos, já sabes que não te podes fazer de difícil.A CDU foi o único partido a sair prejudicado da geringonça, mas tal como Jerónimo é incapaz de assumir que a Coreia do Norte é uma ditadura, também foi incapaz de assumir a derrota.O PAN passou de 1 para 4 deputados, sendo um dos grandes vencedores da noite. Está aberto a negociar com qualquer partido, até porque dizem não ser de esquerda nem de direita. Acho que é porque os cães são disléxicos. Pensava que a minha cadela gostava do PAN, mas afinal deve ser PSD porque fica toda maluca e vai buscar a trela quando ouve o nome do deputado de Viseu Fernando Ruas.?A grande novidade destas eleições foi a inclusão de três novos partidos no lote dos que elegeram deputados:Um deputado para o Iniciativa Liberal, o partido dos betos que não sabem que são betos e que têm um bom designer de cartazes.O Livre que veio dar mais diversidade ao parlamento já que é a primeira vez que se elege uma beatboxer.E, por fim, o Chega elege um deputado.A partir de agora, sempre que alguém disser que foi votar no aborto, não sei se estão a falar do referendo de 2007 ou do André Ventura.***PS: Podem ouvir esta crónica em formato áudio no podcast Por Falar Noutra Coisa, >neste link da Antena 3. Também disponível no iTunes, Spotify e essas plataformas todas./> Por Falar Noutra Coisa »

  • Por que é que a abstenção aumentou? Explicações para o nível inédito de indiferença

    7 Outubro 2019 Mais de quatro milhões e 250 mil pessoas decidiram não votar. A culpa é dos políticos, dos cidadãos ou do Estado? Correio da Manhã »

  • Vencedor das eleições 2019 é... a abstenção

    7 Outubro 2019 >/>Enquanto os partidos e políticos celebram os >resultados das eleições (ou dizem adeus, dependendo dos casos), eu aproveito para relembrar que a maioria volta a ser do "partido" do costume, ou seja: a abstenção.Tivemos 45.5% de abstenção, a que se somam 2.5% de votos brancos e 1.7% de votos nulos; resultando em praticamente 50% da população que preferiu deixar que a escolha fosse feita pelos restantes 50%.É pena que só se dê valor às coisas depois de se ficar sem elas; mas é também assustador ver que os nossos partidos políticos parecem conviver pacificamente numa democracia onde o suposto "voto da maioria" já está desde logo reduzido a metade dos eleitores, fazendo com que as verdadeiras percentagens que são atribuídas aos partidos sejam metade daquilo que são apresentadas.Se não quiserem tornar as eleições obrigatórias, ao menos que considerem implementar alguma forma de tentar apelar aos votos (embora compreenda que a maioria desta "maioria" provavelmente não vai votar simplesmente porque não acredita em nenhum dos partidos e políticos que ali estão... e isso é um problema de resolução bem mais complicada.) >> >> Os Velhotes dos Marretas »

  • Ideias para diminuir a abstenção

    7 Outubro 2019 >/>Mais umas eleições, mais uma abstenção alta e culpa de todos os males.?As críticas à abstenção vêm de todos os políticos, os mesmos que durante quatro anos nada fizeram para a combater e só se lembram no dia das eleições porque fica bem e deflecte a culpa que todos têm em que seja tão alta. A abstenção é efeito e não causa, mas tentam convencer-nos do contrário.Cidadãos moralmente superiores, que publicam o seu boletim de voto nas redes sociais, fazem uma espécie de perseguição contra quem não foi votar, embora eles próprios não tenham ido votar uma vez porque estavam de férias, mas afinal é só dever quando dá jeito. São pessoas que, das duas uma: ou têm a presunção de achar que uma publicação sua vai diminuir a abstenção; ou só o fazem para ter atenção e se sentirem superiores. Muitas dessas pessoas, que dão lições de democracia, são as que em 2015 disseram que a PaF ganhou as eleições e foi roubada, mostrando que nem percebem que estão a eleger deputados e não o Primeiro Ministro e que não percebem nada desta democracia que tanto defendem. Como não gosto de criticar sem dar sugestões, aqui ficam ideias para diminuir a abstenção em futuras eleições:- Votar dá desconto em cartão Continente. O desconto dependeria do partido votado. Se votássemos PAN, o desconto não poderia ser utilizado para comprar produtos de origem animal. Se votássemos PNR, o desconto não estaria disponível para produtos de porco preto.- Votar dá dados móveis. Quem fosse votar teria direito a um pacote extra de dados móveis durante a legislatura. Mais uma vez, o tamanho do pacote dependeria do partido em que votássemos. Se votássemos CDS, os dados não poderiam ser utilizados em sites pornográficos porque é pecado, já se fosse no LIVRE, todos os sites estariam disponíveis, mas a Internet seria muito lenta e com soluços.- As mesas de voto têm table dance. Já lá está uma mesa, falta a stripper. Ou o stripper que eu sou inclusivo. É uma estratégia simples e que pode funcionar. Votar já é para maiores de 18, por isso não havia problema. Para quem vota PNR, a stripper seria de nacionalidade portuguesa; para quem vota BE, a stripper seria meio negra, meio cigana, anã e com perna de pau para haver diversidade.- Um Marcelo em cada mesa de voto a tirar selfies. Marcelo é o unificador da população portuguesa e a possibilidade de uma selfie com o presidente seria um grande impulsionador da ida às urnas. Se o boletim de voto nas redes sociais já dá likes, imaginem uma selfie com o Marcelo. Isto seria implementado através de clonagem ou figuras de cera, se bem que Marcelo tem energia para estar em todo o lado ao mesmo tempo.- Votar através das redes sociais. Entre uma citação do Chagas Freitas e uma notícia do Correio da Manhã, aparecia uma publicação a dizer "Vote já no seu partido favorito". No fim era mais fácil partilhar no feed para mostrarem a todos que já votaram. Podia ser usado em jogos: estás no candy crush e de repente aparece um popup a dizer "Vote agora para desbloquear o nível secreto".- UBER voto. Chamava-se um UBER voto e vinham trazer o boletim a tua casa para votares e iam entregá-lo no local certo. Eliminaria um dos problemas que é o facto de não se poder votar em qualquer sítio (um dos problemas da abstenção mas de que ninguém parece interessado em resolver) e, melhor, ainda podias pedir um cheeseburguer.- Parceria com influenciadores digitais. Os influencers apelavam ao voto e tinham um cupão que as pessoas poderiam utilizar na altura de votar. Escolhiam o partido e colocavam o cupão no campo de desconto, UNAS10 ou URNAS10 neste caso, e tinham direito a desconto no IRS e o influencer recebia por afiliado.- Fazer uma petição pública para censurar a música "Abstenção" do rapper Sam the Kid. Como temos visto ultimamente, o rap incentiva a coisas más e, tal como a música BFF do Valete é uma apologia à violência de género, penso que o Sam the Kid é o responsável por esta elevada taxa de abstenção. Censure-se que na altura de Salazar não havia abstenção.- Retirar os doentes terminais dos possíveis eleitores. Pois é, isto quem está a quinar não devia votar que é muito giro decidir coisas e depois não estar cá para arcar com as consequências dessas escolhas. Velhos igual. Quer dizer, se tirarmos os velhos a abstenção sobe já que os jovens são quem menos vota. Esqueçam esta ideia.-?Não haver sondagens. Eu sei que as sondagens vendem muitos jornais e movimentam muito dinheiro, mas se ninguém tiver noção da intenção de voto, pode ser que haja gente que não pensa "Ah, isto já está ganho para o PS, não vale a pena ir votar". Eu sei que esta ideia faz sentido e que não devia estar aqui.- Menos políticos corruptos, mais competentes, que se preocupem com as pessoas, falem a língua delas e que não façam promessas em vão para caçar votos.?Ah, esta é capaz de dar muito trabalho, esqueçam.Não sou a pró-abstenção, acho que todos deveriam votar, mas faz-me comichão ver políticos a falar da abstenção sem fazerem nada para a mudar. Faz-me confusão enfiarem todos os que se abstêm no mesmo saco e usarem-nos como bode expiatório. Parecem uma namorada que trai o marido e depois o acusa de estar ausente, tentando desviar a atenção do cerne da questão que é o facto de todos já termos sido enganados por falsas promessas de políticos.?A abstenção é como os árbitros no futebol: não quer dizer que a maioria não seja uma merda, mas são sempre usados como desculpa para ninguém assumir que jogou mal e mereceu a derrota.***Não se abstenham de assistir às últimas datas do meu espectáculo:7 Novembro - Vila Real - >Bilhetes aqui14 Novembro - Évora?- >Bilhetes aqui15 Novembro - Almada?- >Bilhetes aqui21 Novembro - Covilhã?- >Bilhetes aqui23 Novembro - Damaia?- Bilhetes em breve/> Por Falar Noutra Coisa »