• Combustíveis. Preços voltam a descer na segunda-feira

    9 Fevereiro 2018 i Online »

  • O tempo para o Carnaval não é animador. O frio vai continuar e a chuva vai voltar

    8 Fevereiro 2018 i Online »

  • HALLO, WIEN! - CITY GUIDE

    6 Fevereiro 2018 >/>Última paragem... Viena :)DE CRACÓVIA PARA VIENAQuando começamos a planear a viagem, não estávamos a conseguir arranjar voo de Cracóvia para Viena, portanto pusemo-nos à procura de alternativas e a mais óbvia era, claro está, o comboio. Ainda por cima havia carruagens com couchettes (pequenas camas) o que nos pareceu perfeito, até porque acabaríamos por poupar uma noite de estadia. Pequeno probleminha: não estávamos a conseguir comprar o bilhete na internet. O site "oficial" não estava a dar e nós não percebíamos porquê, uma vez que a tradução para inglês era péssima. Só estávamos a conseguir comprar os bilhetes em sites de revendedores, mas percebemos que dessa forma sairia muito mais caro, portanto optamos por comprar os bilhetes mesmo na Polónia, na Glówny Train Station. Foi realmente a melhor opção e rapidamente resolvemos o assunto, chegando lá. Compramos bilhetes para um "compartimento" com 4 couchttes - para irmos só nós - e ficou por cerca de 80€ por pessoa e a viagem teve uma duração de cerca de 8h, mas foi toda feita durante a noite (partimos por volta das 23h e chegamos por volta das 7h a Viena).O que vos posso dizer sobre esta experiência? Foi uma experiência diferente, sem dúvida. Mas sinceramente, não me parece que queira repetir. Basicamente viajamos num cubículo com 6 "camas" (apesar de nós termos pago para viajarmos só os 4, tinha 6 camas na mesma), 3 de cada lado, tipo beliche, mas muito colados uns aos outros. O grande problema é que a janela do nosso compartimento estava encravada e não se respirava lá dentro. O pior é que o senhor do comboio, com à vontade mais de 80 anos, apesar de muito fofinho, não percebia patavina do que nós estávamos a explicar. Eu não sou claustrofóbica nem nada que se pareça, mas tenho de admitir que, até conseguir adormecer, me apetecia saltar do comboio fora. Mas lá está, se não fosse a questão da janela e da falta de ar, talvez não tivesse ficado tão "traumatizada".>/>ESTADIAEm Viena ficamos alojados no >Viena Garden Residence?e também desta vez ficamos bastante satisfeitos com a nossa escolha. O apartamento era moderno e muito bonito (no primeiro dia, com neve, fiquei apaixonada pelas vistas da janela), mas também este tinha apenas um quarto - um dos casais ficou no sofá cama, na sala. O apartamento estava situado numa zona mais residencial, que era bastante agradável, mas que talvez não fosse o ideal para quem vai para passear na cidade, como nós fomos, isto porque a estação de metro mais perto ficava a pouco mais de 1km.TRANSPORTEPrecisamente porque a estação de metro mais perto não ficava tão perto assim, e também porque tínhamos já uma semana de viagens e de muitas caminhadas nas costas, acabamos por andar sempre de Uber, em Viena. Como é óbvio, os preços do Uber em Viena não era sequer comparáveis com os preços em Cracóvia, eram inclusive talvez um poucos mais elevados do que cá.>/>PARA VISITAR?Depois da viagem de comboio (dos infernos xD), no primeiro dia sentimos que estávamos realmente a precisar de descansar, pelo que optamos por nos deitar e acabamos por dormir até meio da tarde.Portanto nesse dia já não havia grande coisa a fazer. Fomos até ao centro de Uber, e andamos pelas ruas, a apreciar. Fomos até à Opera, mas confesso que fiquei um pouco desiludida. Não me perguntem do que é que eu estava à espera, não sei. Mas sei que estava à espera de mais!No dia seguinte fomos até ao Schloss Schonbrunn, também conhecido como Palácio da Sissi, e aí sim, fiquei impressionada com Viena. Que lugar mais incrível. Mágico. (E gelado também, diga-se de passagem xD). Para mim, o ponto alto da viagem a Viena.>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>>/>PARA SENTIR?No segundo dia, cheios de frio, a meio da tarde acabamos por decidir procurar um barzito ou algo do género, onde nos pudessemos sentar um pouco a aquecer e a conversar.Entramos numa porta aleatória e deparamo-nos com um bar que era numa espécie de caverna. E descemos e continuamos a descer, cada vez mais para dentro da caverna. Que lugar encantador, o >Zwolf-Apostelkeller :) E ganhou ainda mais encanto quando chegaram dois senhores, um a tocar violino e o outro a tocar acordeão com uma destreza inexplicável. Ficamos todos de boca aberta.Entretanto eram horas de jantar, saímos, chegamos à rua, demos meia volta e entramos novamente para jantarmos por lá, de tanto que tínhamos gostado.Eu e o Fábio provamos os típicos Schnitzel, que são basicamente panados, e adorei. A melhor parte foi quando os dois músicos vieram até à nossa mesa, nos perguntaram de onde éramos e começaram a tocar música portuguesa!>/>RANDOM-?Penso que esta cidade acabou por ser um pouco penalizada pelo facto de ser a última e de já estarmos há tanto tempo a viajar. Gostei de Viena, mas pensei que ia gostar mais. No entanto, admito que também não fizemos um grande esforço para lhe dar uma oportunidade.- Em Viena percebemos pela segunda vez o que era frio a sério xD No Palácio da Sissi, ao anoitecer, ficou um frio insuportável. Novamente, MUITAS camadas de roupa, nomeadamente camisolas interiores térmicas e leggings cardadas, são aconselhadas :p- Vindos de Cracóvia, tudo em Viena nos pareceu um balúrdio xD Mas pensando bem, apesar de os preços serem um pouco mais altos do que cá, a diferença não é assim tão gigantesca.- Em Viena voltamos a sentir alguma dificuldade em comunicar em inglês e aqui, tal como em Bruxelas, pareceu-nos ser por falta de vontade. Por acaso foi uma das coisas que mais me surpreendeu durante toda a viagem: a dificuldade em comunicar.>/>>/>De Viena fizemos uma pequena escala em Genebra e depois... casa!E então? Acharam estes posts úteis? Ficaram com alguma dúvida? Há alguma outra coisa sobre a qual gostavam que eu escrevesse?B./> My kind of Joy »