• Essential Project Gem, o smartphone que parece um comando de televisão

    10 Outubro 2019 A Essential esqueceu os formatos convencionais e apresenta o Project Gem, um smartphone que tem o rácio de um comando de televisão./> Exame Informática »

  • Essential GEM aposta em formato incomum

    9 Outubro 2019 >/>A Essential não teve grande sorte com o seu smartphone, mesmo tendo um design atractivo e actualizações mais rápidas que as da própria Google, mas agora vai apostar numa coisa "completamente diferente" - como diriam os Monty Python.>Por agora tudo o que se sabe é derivado de umas >fotos partilhadas pela Essential e por Andy Rubin (que regressa à actividade pública depois de um ano afastado, motivado pelas acusações de "comportamento sexual inapropriado" e de que a Google teria compactuado com isso ao lhe pagar 90 milhões de dólares pela sua saída). Numa altura em que os smartphones cresceram para tamanhos em que se começa a tornar difícil segurá-los devidamente - comprovado pela quantidade de smartphones com ecrãs partidos que vemos, ou a necessidade de recorrer a acessórios para melhor os manter nas mãos - este novo produto da Essential, que aparentemente se irá chamar GEM, aposta exactamente no oposto: um design extra fino.O formato será mais aproximado daquele que se esperaria de um controlo remoto com ecrã full-screen, mas algumas imagens parecem indicar que será um smartphone completamente funcional, com um interface profundamente remodelo para se adequar ao seu incomum formato ultra-vertical.New UI for radically different formfactor >pic.twitter.com/Es8hFrTuxx— Andy Rubin (@Arubin) >October 8, 2019Se viajarmos no tempo algumas décadas para o passado, alguns ainda se lembrarão do tempo em que a Nokia também lançou uma série de modelos com designs que fugiam aos formatos habituais da altura - como o >Nokia 7280, também em formato comprido e que trocava o teclado numérico por um botão rotativo.Este formato do Essential GEM poderá obter o mesmo efeito, num mercado saturado pelos blocos de vidro nos formatos habituais; mas penso que o elemento crítico irá acabar por ser o preço. Parece-me difícil que alguém vá pagar os valores de um topo de gama para ter um smartphone minimalista com metade da área de ecrã que poderia ter. Se nos surpreender com um preço verdadeiramente acessível, poderia tornar-se num "segundo smartphone" para usar ocasionalmente; senão, suspeito que acabará por ser apenas um modelo para um nicho bastante reduzido (mas, poderá ser esse o seu objectivo).Ficamos a aguardar para saber mais detalhes, sobre se irá correr apps Android standard, ou se terão que ser alteradas, etc. >> >> >> Aberto até de Madrugada »