• PPE alerta para desequilíbrios no plano de recuperação europeu

    2 Junho 2020 Deputados do Partido Popular Europeu escreveram a von der Leyen alertando para fragilidades./> Dinheiro Vivo »

  • DÍVIDA PORTUGAL - Dívida pública portuguesa atingiu o maior nível em 25 anos em abril

    1 Junho 2020 EFE »

  • O maior salto em cinco anos. Dívida pública atingiu recorde em abril

    1 Junho 2020 A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, o valor mais alto desde 1995, segundo os... ZAP »

  • Dívida pública atingiu recorde de 262,1 mil milhões de euros

    1 Junho 2020 O valor da dívida pública de abril é o mais alto desde 1995, o início da série estatística disponibilizada pelo banco central./> Diário de Notícias » Dinheiro Vivo »

  • Dívida pública atingiu recorde em Abril

    1 Junho 2020 Valor de 262.056 milhões de euros é o mais alto desde 1995./> Público » i Online »

  • Dívida pública dispara para recorde de 262,1 mil milhões em abril

    1 Junho 2020 De acordo com os dados do Banco de Portugal, o endividamento atingiu 262,1 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 7,3 mil milhões de euros face aos 254,78 mil milhões de euros registados em março. Correio da Manhã » Jornal de Negócios » Renascença »

  • O plano da Comissão Europeia para recuperar a economia

    1 Junho 2020 /> A Comissão Europeia apresentou um plano de recuperação económica, no valor de 750 mil milhões de euros, para ajudar os Estados-membros a enfrentarem a crise económica provocada pela pandemia. RTP »

  • Comissão Europeia defende novos impostos às grandes empresas para financiar recuperação económica

    1 Junho 2020 />Hahn salientou que a recuperação económica da UE vai provocar um aumento da dívida e, por isso, para cobrir os 750 mil milhões de euros previstos no plano de recuperação, defende que aplicar novos impostos é a melhor opção para criar novos canais de receita direta para a Comissão Europeia. O Jornal Económico »

  • Dívida pública atingiu recorde de 262,1 mil milhões em abril

    1 Junho 2020 /> A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, um valor recorde, segundo os dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal (BdP). RTP »

  • Morreu a primeira mulher entre os 20 e os 29 anos infetada com o novo coronavírus no país

    31 Maio 2020 i Online »

  • Governo alemão prepara plano para reativar a economia após crise criada pela pandemia

    30 Maio 2020 Merkel pede às pessoas para não baixarem a guarda e continuarem com as regras de distanciamento social. Correio da Manhã »

  • Rui Moreira diz que cidade do Porto está preparada para festejar o S.João

    30 Maio 2020 Autarca defende que pandemia do coronavírus não pode parar a principal festa da cidade. Correio da Manhã »

  • Portugal pode arrecadar 26,3 mil milhões com Plano de Recuperação

    30 Maio 2020 />Executivo de Ursula von der Leyen propõe apoio massivo à economia europeia e dá um passo em frente com a emissão de dívida e grande parte do financiamento a fundo perdido. O Jornal Económico »

  • EUA põem fim à relação com a Organização Mundial da Saúde

    29 Maio 2020 O presidente norte-americano anunciou que os Estados Unidos colocam hoje um ponto final na sua relação com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Jornal de Negócios »

  • Portugal terá perto de mil milhões de euros para a transição justa

    29 Maio 2020 Comissão prevê reforço do envelope do Fundo de Transição Justa para 40 milhões de euros, com recurso às verbas do novo instrumento de recuperação “Próxima Geração UE”./> Público »

  • Não basta o dinheiro de Bruxelas, é preciso que a economia arranque, apela Marcelo Rebelo de Sousa

    29 Maio 2020 />Na quinta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa elogiou a Comissão Europeia e a sua presidente, Ursula von der Leyen, pela proposta de um fundo de recuperação 750 mil milhões de euros para minimizar os efeitos económicos e sociais da pandemia de covid-19, do qual se prevê que Portugal possa beneficiar de 26,3 mil milhões de euros. O Jornal Económico »

  • Da poluição ao plástico. Bruxelas quer criar cinco novos impostos

    29 Maio 2020 A Comissão Europeia está a ponderar criar cinco novos impostos para conseguir financiar os 500 mil milhões destinados destinados a... ZAP »

  • ?A pandemia e as finanças públicas

    29 Maio 2020 A crise pandémica acentuou a pressão sobre os dinheiros públicos em forma de apoio sanitário, aos tecidos económicos e muitos outros que fazem parte desta crise transversal. As finanças públicas aguentam o embate? O que podemos esperar da carga fiscal? Quais as ferramentas ou soluções a que os governos podem deitar mão neste contexto? Renascença »

  • Bazuca tem de passar pelo crivo do Conselho Europeu

    29 Maio 2020 Holanda, Dinamarca, Suécia e Áustria são países que se opõem à atribuição de verbas a fundo perdido. Correio da Manhã »

  • Marcelo espera que Conselho Europeu esteja à altura da coragem da Comissão

    28 Maio 2020 O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje esperar que o Conselho Europeu esteja à altura da coragem que no seu entender foi demonstrada pela Comissão Europeia com a sua proposta de fundo de recuperação. Jornal de Negócios » RTP »

  • Marcelo espera que Conselho Europeu esteja à altura da coragem da Comissão

    28 Maio 2020 Presidente da República considerou que "aquilo de que se fala para Portugal é uma ajuda muito, muito importante para o arranque da economia portuguesa. Correio da Manhã »

  • Temido defende respostas sociais para lá do combate ao coronavírus

    28 Maio 2020 A ministra da Saúde defendeu hoje no parlamento que as respostas à crise gerada pela pandemia de covid-19 têm de ir para lá do combate à infeção com o novo coronavírus e devem ter uma dimensão social. Jornal de Negócios »

  • Plano de recuperação económica da União europeia sem precedentes

    28 Maio 2020 >Abrimos com le MONDE que titula, um plano de recuperação inédito para a Europa. Ursula von der Leyen, presidente da Comissão europeia apresentou ontem um plano de recuperação económica histórico tanto pela sua dimensão como pela sua filosofia.   >A Presidente da Comissão europeia, propos 750 mil milhões de euros para ajudar o continente europeu a enfrentar a recessão provocada pelo covid-19. Itália e Espanha, cujas economias são as mais atingidas serão as primeiras a beneficiar deste dispositivo de ajudas. Paris espera um acordo dos 27 do plano até julho mas prevê negociações difíceis com a Holanda, Dinamarca, Áustria e Suécia contra transferências massivas, nota LE MONDE.>Europa a toda a velocidade, titula, LIBÉRATION. Anunciando o plano de 750 mil milhões de euros, a Comissão europeia faz mais um passo em direcção à União federal. Trata-sez de um momento histórico para a União europeia que tem capacidade de endividamento e logo autonomia orçamental o que são atributos essenciais de um Estado.> Aliás, a imprensa anglo-americana evoca um momento hamiltoniano para a Europa, em referência a Alexander Hamilton, o primeiro secretário do Tesouro nos Estados Unidos que convenceu o Congresso americano em 1790 a criar uma dívida federal, nota LIBÉRATION..>AUJOURD'HUI EN FRANCE/LE PARISIEN, faz ainda referência à estratégia da Comissão europeia que propos um a criação de um novo programa de saúde de 9 mil milhões de euros no quadro do próximo orçamento plurianual da União europeia.>Mesmo sabendo que a saúde é prerrogativa dos Estados membros, a comissão espera com esse plano mudar a imagem, porque segundo a comissária europeia, Stella Kyriakides, durante a crise houve uma disfunção entre o que os cidadãos esperavam e aquilo que a União europeia pode propriamente fazer. Esse envelope pode reforçar o Centro europeu de prevenção e controlo das doenças e a Agência europeia de medicamentos ao mesmo tempo que é uma resposta da União europeia à questão da produção intraeuropeia de medicamentos, nota, AUJOURD'HUI EN FRANCE.>O espectro do aumento dos impostos em França>Face à crise a tentação de aumentar os impostos, titula, LE FIGARO. Reposição do imposto sobre as fortunas, um novo escalão superior de impostos, as ideias não faltam estes dias para pôr os franceses a pagar mais impostos, observa, LE FIGARO.>Ter 20 anos em tempos de Covid, titula, L'HUMANITÉ. A juventude sacrificada no altar da crise sanitária. Os que mais sofrem face ao emprego e a habitação os jovens dos 18-25 anos são os grandes perdedores da actual crise económica, acentuada pela pandemia do coronavírus. Se não houver uma ajuda do Estado, vão refugiar-se no estatuto social da família.>Para Karim,  não há dúvida que com a crise ele entrou para o grupo dos precários, pois, em março, devia começar um trabalho part time que foi adiado para 15 de junho sem qualquer garantia. Assim, este mês só pode contar com o seu subsídio de desemprego de 350 euros, nota, L'HUMANITÉ. >Por seu lado, LA CROIX, titula, China/Estados Unidos, rivalidade exacerbada. A crise provocada pelo novo coronavírus aumenta a tensão entre as duas grandes potências lançadas numa luta de influência que poderá polarizar o mundo.  >O vírus desequilibrou tudo. O mundo de ontem da governação mundial com a rede de instituições criada sob a batuta dos Estados Unidos, após a segunda guerra mundial, como o sistema da ONU, as instituições económicas do Banco Mundial e FMI ou a NATO, tudo está desarticulado, devido ao pouco interesse americano e à ofensiva da China. Longe de aproximar Pequim e Washington, a a pandemaia exacerbou a rivalidade sistemática entre as duas superpotências, acrescenta, LA CROIX.>Em relação à África, LE MONDE, dá relevo à Argélia que decidiu chamar ao país o seu embaixador em Paris para dar explicações sobre a difusão de dois documentários consagrados ao Hirak, o movimento de protesto popular que sacode a Argélia desde fevereiro de 2019 e que conduziu à demissão do presidente Bouteflika, que estava no poder desde 1999.>A cadeia de TV France 5 programou Argélia, meu amor de  Mustapha Kessous, realizador e jornalista do MONDE, que entrevistou 5 jovens argelinos de 20 a 29 anos.  A sua difiusão agitou as redes sociais, com internautas denunciando uma imagem redutora do  Hirak e a não reprentatividade dos entrevistados.>Enfim, L'HUMANITÉ, escreve sobre a Líbia, onde o Presidente turco Erdogan, recruta mercenários no seio de islamitas sírios, enviando o seu exército para apoiar o governo de Fayez Al Sarraj. Para  Erdogan, está fora de questão perder a face deixando tudo nas mãos do marechal, Khalifa Haftar, o homem que quer tomar o poder na Líbia.  RFI »

  • Marcelo espera que Conselho Europeu esteja à altura da coragem da Comissão

    28 Maio 2020 O Chefe de Estado considera que a ajuda que chegaria a Portugal seria muito importante para combater a crise pós-pandemia. Renascença »

  • CORONAVÍRUS ONU - ONU pede alívio da dívida de mais países

    28 Maio 2020 EFE »

  • Comissão já tem um número para o seu Plano Marshall: 750 mil milhões

    27 Maio 2020 Plano de recuperação proposto pela Comissão Europeia, financiado com uma emissão de dívida europeia, pode fazer chegar a Portugal, nos próximos anos, sob a forma de subvenções e empréstimos, um valor próximo de 15% do seu PIB./> Público »

  • Europa anunciou Fundo de recuperação após pandemia de Covid-19

    27 Maio 2020 >“Hoje atravessamos o momento que nos definirá”. Foi com estas palavras que a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou hoje o novo Fundo de Recuperação Europeu. No total, são 750 mil milhões de euros previstos pelo órgão executivo europeu para combater a pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial: 500 mil milhões de euros em subvenções, 250 mil milhões em empréstimos. Para financiar o fundo, a Comissão prevê a emissão de dívida comum mas também a criação de novas taxas, dotando-se de recursos próprios e eliminando dois tabus do debate europeu. Os eurodeputados Francisco Guerreiro (PAN, Verdes/ALE), José Gusmão (BE, GUE/NGL), Pedro Marques (PS, S&D) e Paulo Rangel (PSD, EPP) reagem ao anúncio. >Acompanhe aqui a reportagem a partir de Bruxelas de Tiago Almeida. RFI »

  • Economia, plano europeu de relançamento no pós coronavírus

    27 Maio 2020 >Abrimos esta revista de imprensa com LE MONDE que titula, consumo, o que a epidemia mudou. Enquanto comércios estão a abrir as portas desde 11 de maio,o balanço da retoma, no entanto, é muito contrastado, segundo os sectores. A epidemia, o confinanmento e a baixa do poder de compra que provocaram, modificaram as prioridades as prioridades dos franceses.  >A epidemia, o confinamento e a baixa do poder de compra que provocaram, modificaram as prioridades dos franceses.>Electrodomésticos, produtos de drogaria ou artigos de desporto nomeadamente, bicicletas, alimentação eléctrica saem por ora a ganhar. O sector de perfumes, vestuário para adultos, a moda arrancam com dificuldades mesmo se há um aumento do cabaz de compra. Há uma aceleração do comércio on-line imprimindo o declínio das grandes superfícies comerciais que multiplicam parcerias e planos de trabalho parcial ou despedimentos.>Por seu lado, L'HUMANITÉ, titula, Europa, solidariedade a conta gotas. O fundo de de relançamento preparado em Bruxelas continua atado às reformas liberais pelo que  solidariedade é incerta. Tudo pode nao passar de rotina. Após o projecto lançado a semana passada por Macron e Merkel é a vez da Comissão europeia fazer a sua proposta. Mas as ajudas subdemensionadas em relação à recessão em perspectiva permanecem atadas a futuras reformas liberais. >Os 500 mil milhões de euros do fundo europeu de relançamento avançado pela Alemanha e França é importante, mas só representa 3% do PIB anual da União europeia e será absorvido pelo orçamento fixado até 2027 ficando ainda aquém do plano de salvação criado pelos Estados Unidos em fins de março de 2 biliões de dólares para salvar a economia. Mais, o montante avançado por Merkel e Macron é tambem largamente ultrapassado pelo volume global das ajudas de Estados membros no seio da União europeia, nota, L'HUMANITÉ. >Por seu lado, LA CROIX, escreve que a Comissão europeia propoe hoje um plano de relançamento de 750 mil milhões de euros, apresentado por Ursula von der Leyen, para combater a crise económica na União euroepeia. >Ameaça da fome pós coronavírus e Ruanda país exemplo que cumpre Acordo de Paris sobre o clima>Mas o título principal do LA CROIX é fome a ameaça. Com a pandemia do covid-19, a fome grassa nos quatro cantos do planeta.>Em França, a preocupação é grande. As associações constatam um aumento muito importante das necessidades em ajuda alimentar e perocupam-se com um fenómeno que corre o risco de agravação nos próximos meses.>Pode-se mesmo acreditar num fim próximo da epidemia?, pergunta, em titulo, LE FIGARO. Há uma melhoria da situação na frente médica e hospitalar mas os peritos continuam a alertar para uma mobilização. A priori tudo indica que se pode dizer que a epidemia está no fim e os números de vítimas estão em baixa, com o governo a afirmar que está também garantida a capacidade de testes em todo o território, nota, LE FIGARO.  >Em relação à África, LE MONDE, destaca, Kigali defende uma luta contra a epidemia do coronavírus que não ponha de lado a luta contra o aquecimento global tendo apresentado a sua segunda contribuição à ONU. É um documento estratégico de 100 páginas, uma segunda contribuição nacional ao acordo de Paris junto da Convenção quadro da ONU sobre o clima.>Este pequeno país encravado da África central é assim o primeiro do continente africano a cumprir a sua obrigação fixada em 2015 aos 190 signatários. Na ausência de cumprir os limites das temperaturas mundiais nos  2 °C ou mesmo 1,5 °C como defendem especialistas de climatologia, ficou estipulado que os governos teriam de enviar as suas contribuições até 2020, ano de entrada em vigor do acordo de Paris.>O documento ruandês prevê um custo do plano em 11 mil milhões de dólares para um espaço de 10 anos, financiado a meias por recursos nacionais e doadores internacionais, nota, LE MONDE. >Por seu lado, LA CROIX, dá relevo ao Burundi onde a vitória do general  Evariste Ndayishimiye nas últimas eleições presidenciais é posta em dúvida, segundo a Comissão eleitoral nacional independente.>A vitória é suspeita devido à natureza autoritária do regime burundês que recusou observadores independentes durante o escrutínio, nem da Igreja católica, nem da sociedade civil ou das ONU, União africana ou União europeia. Uma vitória que lança dúvida na cabeça das pessoas porque o general ganhou mesmo nos feudos tradicionais da oposição esmagando o seu principal adversário Agathon Rwasa, nota, LA CROIX. >  RFI »