• Até reconhece o dono

    17 Setembro 2017 Apesar da falha durante a apresentação, o iPhone X é um enorme salto tecnológico no mundo dos smartphones. Correio da Manhã »

  • Modo de emergência desactiva o Face ID no iPhone X

    15 Setembro 2017 >/>Quem estiver preocupado com a aparente facilidade com que o novo >Face ID do iPhone X poderá ser utilizado para desbloquear um iPhone contra a sua vontade, poderá gostar de saber que haverá um modo que desactiva o Face ID temporariamente, bastando carregar nos botões de ambos os lados do iPhone X.>Embora não tenha sido referido na apresentação, a Apple já confirmou que irá estar disponível um modo de "emergência" que permite >desactivar temporariamente a autenticação via Face ID. Em vez de clicar cinco vezes no botão de power, no iPhone X bastará carregar simultaneamente nos botões nos lados opostos do iPhone X, algo que pode ser feito de forma naturalmente dissimulada enquanto se passa o iPhone a alguém.O sistema permite que rapidamente se possa bloquear o iPhone ao passá-lo a alguém (por exemplo, um ladrão, ou agente da autoridade) e impedindo que baste apontar o iPhone para o seu rosto para que fique desbloqueado. Assim, e tal como aconteceu durante a apresentação (num momento que causou algum embaraço), o iPhone exigirá o código ou password para ser desbloqueado.Como nota extra: com o iOS 11 chega também segurança acrescida quando se quer aceder ao iPhone a partir de um computador. Até agora apenas se tinha que dizer se se dava acesso ou não; agora, para dar acesso será necessário introduzir o código/password. Ou seja, mesmo alguém que tenha conseguido apanhar um iPhone desbloqueado, não o conseguirá ligar a um computador a não ser que se consiga autenticar. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Impacto do iPhone X na forma de usar o iOS

    15 Setembro 2017 A nova maneira de interagir com o sistema pode trazer consequências na produção de aplicações móveis ou sites para dispositivos de mobilidade. Computerworld »

  • Samsung quer que iPhone X seja um sucesso no mercado para garantir mais receita

    15 Setembro 2017 A chegada do novo iPhone X ao mercado não assusta a Samsung. A empresa coreana está até desejosa que o novo smartphone topo de gama da Apple seja um sucesso retumbante no mercado de forma a conseguir aumentar a sua receita financeira. A justificação é simples: o novo ecrã OLED do iPhone X é fabricado pela Samsung. Mais Tecnologia »

  • As grandes diferenças entre os novos iPhone X e iPhone 8

    14 Setembro 2017 A celebração do décimo aniversário do lançamento do primeiro iPhone no mercado acabou por inaugurar um novo rumo na estratégia de produto da Apple. O lançamento do iPhone 8 (com dois tamanhos de ecrã como é tradição) foi acompanhado de uma versão mais refinada, o iPhone X, e que conta com algumas inovações que não são acompanhadas por outro qualquer iPhone.  Mais Tecnologia »

  • A segurança Face ID do iPhone X

    14 Setembro 2017 >/>O >iPhone X da Apple vai estrear a tecnologia de reconhecimento facial Face ID em vez do Touch ID e, como seria de esperar, esta alteração tem gerado alguma polémica tanto entre os fãs, como os detractores da marca, como os especialistas em segurança.>Antes de mais, importará relembrar que embora a Apple tenha dedicado recursos consideráveis a este Face ID, a sua intenção seria usá-lo em combinação com o tradicional Touch ID, o que eliminaria parte da polémica (gerada pelo abandono do Touch ID). O problema é que a Apple não conseguiu implementar o sensor Touch ID directamente no ecrã (ou por baixo dele) a tempo do lançamento, obrigando a cortar completamente com essa funcionalidade. Segundo os rumores, bastariam mais algumas semanas para potencialmente o problema ser resolvido... mas já era impossível aguardar mais tempo. Já assim o iPhone X vai ter um lançamento "atrasado", só chegando às lojas em Novembro e potencialmente com >listas de espera de meses... pelo que qualquer atraso extra atiraria o iPhone X para 2018... o que seria encarado como um grande "falhanço". Por isso... Face ID, apenas e só!>O Face ID do iPhone X>/>Fazer desbloqueio do smartphone por reconhecimento facial não é novidade nenhuma, o sistema Android já tem isso desde a versão 4.0 lançada em 2011; mas também é sabido que esses primeiros sistemas era bastante falíveis... bastava uma foto para desbloquear o smartphone. O sistema foi evoluindo ao ponto de precisar de detectar o utilizador a piscar os olhos (que também foi enganado com uma foto "animada"), e mais recentemente dando origem a variações como o reconhecimento de íris usado no Galaxy Note 8 (estreado no Note 7, mas tendo sido recolhido do mercado).No caso do Face ID do iPhone X... a ideia do reconhecimento facial é a mesma de sempre, mas a sua implementação é bastante diferente. Desta vez não estamos apenas a usar uma câmara para apanhar o rosto do utilizador, nem somente uma câmara IR como a que a Samsung usa para apanhar a íris; mas sim um verdadeiro "Kinect" em miniatura, que permite captar o rosto em 3D através da projecção de pontos IR invisíveis à vista humana.Não se pode dizer que seja novidade, considerando que em 2013 a Apple comprou a Primesense, a empresa por trás do desenvolvimento do Kinect. No entanto, tal como o projecto Tango da Google serviu para demonstrar, aplicar um destes sensores 3D num dispositivo móvel não é tarefa fácil - o primeiro dispositivo com Tango teve que ser um Tablet pois não era praticável aplicá-lo num formato mais pequeno; e quem refere o Lenovo Phab 2 Pro como exemplo, deverá ter consciência que está a falar de um "smartphone" com ecrã de 6.4", mais de 1cm, e 260g de peso... ou seja, continua a ser mais um tablet do que smartphone.Em suma, miniaturizar toda esta tecnologia para poder ser usada numa câmara frontal... é obra, e a Apple está de parabéns (faltando agora ver o impacto que isso terá a nível de autonomia, fiabilidade, etc.) E falando da fiabilidade...>Fiabilidade do Face ID>Sendo a grande aposta na autenticação, o Face ID vai ficar para a história por ter começando com um "fail". Durante a apresentação, ao tentar fazer a primeira demonstração pública do Face ID em funcionamento, o sistema falhou, obrigando a recorrer ao iPhone X de backup.A Apple já veio dizer que o >Face ID não "falhou", mas que se tratou simplesmente de funcionar como é suposto: dizendo que muitas pessoas nos bastidores tinham mexido no iPhone X, e que após diversas tentativas de reconhecimento erradas o sistema saltou para o pedido do código PIN (tal como acontece com o Touch ID).>/>Seja como for, a Apple está bem consciente de que o seu Face ID irá ser posto à prova a todos os níveis, dizendo que teve bastante cuidado para garantir que o sistema resistirá a fotos (o que não é difícil considerando que temos uma câmara 3D capaz de detectar o relevo do rosto) e até a máscaras... mas aí, será sempre uma questão de até onde se quer levar a coisa. Bastará relembrar que o sistema não conseguirá distinguir gémeos idênticos (ao contrário do reconhecimento por íris ou impressões digitais), o que já será um retrocesso face ao Touch ID.>/>Mas a Apple garante que o Face ID será mais seguro, dizendo que a probabilidade de algum desconhecido conseguir desbloquear o iPhone X com o seu rosto é de 1 num milhão, em vez dos 1 em 50 mil do Touch ID.O que é certo é que isto tem dado origem a inúmeras "brincadeiras"... dizendo que bastará apontar o iPhone X para o rosto de alguém enquanto dorme, ou até alguém que esteja morto (por exemplo, no caso de um roubo violento), para desbloquear o iPhone. Pois bem... parecem esquecer-se que o mesmo já acontece com o Touch ID! Toda e qualquer situação em que se possa obrigar alguém a mostrar o rosto para o iPhone, é também uma situação em que se poderia forçar a pessoa a colocar o dedo no sensor. Se bem que no Face ID há algumas condicionantes adicionais, pois não basta apontar a câmara para o rosto, é preciso que o sistema detecte a "atenção" do utilizador (por exemplo, estando de olhos fechados, a dormir, não irá desbloquear o sistema - ao contrário do que pode acontecer com o Touch ID, como comprovado pela >criança que usou o dedo da mãe para fazer compras enquanto ela dormia). Assumindo que o sistema precisará de detectar movimento dos olhos, também eliminará o caso de desbloquear o iPhone com uma pessoa morta...Mas ainda assim, importa relembrar que, tal como os reconhecimentos faciais mais falíveis dos anos anteriores, todos estes sistemas biométricos têm que ser encarados como potencialmente falíveis, servindo apenas como uma forma potencialmente mais cómoda de validar a nossa identidade sem que se tenha que recorrer à introdução de passwords ou códigos. Para coisas realmente críticas, será sempre conveniente recorrer a passwords seguras...>A privacidade>/>Há também um último ponto que interessa referir. Com um sistema de reconhecimento facial que até fará o tracking do rosto (podendo transpor movimentos e expressões para os novos "animoji" com elevada qualidade), há quem já vá alertando para o risco das apps usarem esta informação para espiarem as nossas reacções. Por exemplo, não seria descabido que o Facebook quisesse saber que "caretas" fazemos ao ver os seus posts - até promovendo isso como forma de aplicar o "like" adequado de forma automática (riso, zangado, triste, etc.) Mas... quanto a isso teremos que esperar para saber como o mercado evolui... talvez ao ponto de merecer uma nova permissão adicional para além do acesso à câmara já existente, para acesso ao tracking contínuo do rosto...... Em último caso, há sempre a hipótese de colar um autocolante por cima da câmara. ;P >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • iPhone X arrasa concorrência no Geekbench

    13 Setembro 2017 >/>Os CPUs da Apple usados nos iPhones têm tido desempenho de referência, e o novo CPU A11 Bionic usado no >iPhone X e iPhone 8 volta a arrasar a concorrência e até supera os resultados de um MacBook Pro deste ano.>Nos últimos anos, os CPUs "A" da Apple tem demonstrado que melhorar o desempenho não passa simplesmente pelo aumento do número de núcleos do processador. Nos dispositivos Android vimos a passagem dos dual-core para os quad-core, depois para os octa-core (e até deca-core)... mas no que diz respeito ao processamento single-threaded, têm ficado a anos luz de distância do que a Apple tem conseguido com os seus CPUs. Com o novo A11 Bionic isso volta a acontecer e marca um momento histórico.No benchmark Geekbench, o >iPhone X atingiu uma pontuação de 4061 em single-core e 9959 em multi-core. Para referência, mesmo o recente Galaxy S8 se fica por 2024 e 6279 (estamos a falar de uma diferença de 100% em single-core) mas há algo ainda mais significativo...>/>Como o próprio teste indica, a pontuação de 4000 usada como referência neste benchmark corresponde à de um CPU Intel Core i7-6600U,; pelo que este ano se chega a um ponto em que um iPhone tem um desempenho equivalente a um CPU utilizado em computadores tradicionais. Aliás, o iPhone X bate os valores obtidos por um MacBook Pro deste ano, que se fica por uma pontuação de 4036 e 8869.Ora isto abre duas perspectivas interessantes... a primeira é a possibilidade da Apple implementar um sistema ao estilo da MS e Samsung, que transforma os seus smartphones em computadores desktop quando os ligamos a um monitor e teclado; a outra, é tornar ainda mais realista a possibilidade de num futuro não muito distante a Apple dispensar a Intel e aplicar os seus próprios CPUs nos Macs e MacBooks.... Para os outros fabricantes, fica o desafio de se esforçarem no sentido de reduzirem esta diferença de desempenho... pois não se pode justificar que um qualquer topo-de-gama Android tenha uma diferença de 100% para um iPhone. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Os preços dos iPhones para (quase) todas as carteiras

    13 Setembro 2017 >/>Já falamos do novo >iPhone X e do seu >preço em Portugal, mas desta vez vamos espreitar como é que a Apple se preocupa em criar uma oferta para todos os patamares de preços e "baralhar" os consumidores.>Com a chegada do novo iPhone X e iPhone 8, a família de iPhones disponíveis fica mais variada que nunca, indo do mais económico iPhone SE a 419 euros ao mais caro iPhone X de 256GB por 1359 euros.>/>Se olharmos apenas para os preços dos modelos base de cada família, não há surpresas. Temos uma distribuição razoavelmente gradual entre os modelos, mas com dois pontos em que se registarão as maiores indecisões: o preço do iPhone 6S Plus (649 euros) é o mesmo do iPhone 7; e o preço do iPhone 7 Plus (789 euros) é bastante próximo do iPhone 8 (829 euros). São situações que obrigarão a ponderação cuidada, entre dar preferência ao tamanho extra (e câmara extra no caso do 7 Plus) ou um modelo mais recente mas mais pequeno.Mas... não é assim tão simples....>/>Adicionem-se todas as variantes de cada família e as indecisões multiplicam-se exponencialmente. Agora já não temos apenas sobreposição de preços em dois casos, mas sim em praticamente todos eles. Por exemplo... pelo preço de um iPhone SE de 128GB (539 euros) podemos comprar um iPhone 6S de 32GB; ou pelo preço de um iPhone 6S de 128GB (659 euros) podemos comprar um iPhone 6S Plus de 32GB (649 euros) ou um iPhone 7 de 32GB (649 euros). Ou, no patamar acima, ficar na dúvida entre um iPhone 6S Plus de 128GB (769 euros), um iPhone 7 de 32GB com o mesmo preço, ou um iPhone 7 Plus de 32GB (789 euros).>/>Só a partir desse patamar para cima é que voltamos a ter uma evolução gradual sem preços repetidos, referentes aos novos iPhone 8 (apenas com a intromissão do iPhone 7 Plus de 128GB entre os iPhone 8 e 8 Plus de 64GB) - sendo necessário relembrar que na gama deste ano a Apple duplicou as capacidades (64GB e 256GB)... o que de certa forma também ajuda a explicar porque motivo não há iPhone 8 de 32GB e 128GB, pois os seus preços ficariam ainda mais "em conflito" com os dos iPhones 7.Por isso... se muito se critica a Samsung e outros fabricantes por terem demasiados modelos para baralhar os consumidores, assim se constata que também a Apple recorre à mesma táctica. Mas pronto, não se pode criticar uma empresa por dar excesso de opções aos clientes... cabendo aos mesmos decidirem qual o modelo que melhor se enquadra no seu orçamento e preferências pessoais: dos 419 euros do iPhone SE de 32GB aos 1359 euros do iPhone X de 256GB.P.S. - só por curiosidade, um gráfico que não faz grande sentido por não se poderem comparar directamente iPhones de gerações diferentes e com diferentes características, mas que não deixa de ser interessante de um ponto de vista "teórico". Olhando-se para o custo por gigabyte de todos os iPhones disponíveis,vemos que o iPhone 8 de 256GB é o que acaba por ficar mais "barato"... Pena implicar o pagamento de 1009 euros! :)>/>P.S.2 - Para referência, a tabela dos preços actuais dos iPhones:ModeloPreço (€)iPhone SE (32GB)419iPhone SE (128GB)539iPhone 6S (32GB)539iPhone 6S (128GB)659iPhone 6S Plus (32GB)649iPhone 6S Plus (128GB)769iPhone 7 (32GB)649iPhone 7 (128GB)769iPhone 7 Plus (32GB)789iPhone 7 Plus (128GB)909iPhone 8 (64GB)829iPhone 8 (256GB)1009iPhone 8 Plus (64GB)939iPhone 8 Plus (256GB)1119iPhone X (64GB)1179iPhone X (256GB)1359 >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Novidades dos iPhone 8 e Watch Series 3

    13 Setembro 2017 A Apple conseguiu introduzir conectividade autonóma por LTE no seu novo smartwatch, mantendo as dimensões e duração de bateria. O iPhone 8 e o 8 plus são actualizações da versão 7 e as suas baterias podem ser recarregadas por indução. Computerworld »

  • Apple apresentou o novo iPhone X (e o Apple Watch 3)

    13 Setembro 2017 A Apple apresentou hoje, no novo Steve Jobs Theater, os seus mais recentes produtos entre eles o novos smartphones iPhone 8, 8 Plus e o... ZAP » Bit »

  • Preço do iPhone X e 8 em Portugal

    12 Setembro 2017 >/>A Apple já apresentou os novos >iPhone 8 e iPhone X, e também já temos os preços destes iPhones em Portugal.>Começando pelo mais desejado iPhone X, os preços vão - como se esperava - bem para lá dos mil euros, com a versão de 64GB a custar 1179 euros e a versão de 256GB a chegar aos 1359 euros.>/>Para os novos iPhone 8, os preços começam nos 829 euros para o de 64GB e 1009 euros para a versão de 256GB (nem dando opção para uma versão intermédia de 128GB que seria suficiente para a grande maioria dos utilizadores). No 8 Plus os preços começam nos 939 euros para a versão de 64GB e chegam aos 1119 euros para a versão de 256GB.>/>Continuam a estar disponíveis os iPhone SE (a começar nos 419 euros); iPhone 6S e 6S Plus (a começar nos 539 e 649 euros); e iPhone 7 e 7 Plus (649 e 789 euros).>/>Fica assim escalonada a gama de iPhones para este final de 2017. Agora a incógnita é saber que destino a Apple reserva para o iPhone SE... se terá direito a actualização, ou se será mantido como está até se tornar obsoleto (e marcando o fim dos iPhones "pequenos" - pelo menos até uma altura em que a Apple comece a produzir um iPhone X em versões pequena / média / grande; isto numa altura em que houver componentes com fartura para satisfazer a produção). >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Apple apresenta iPhone 8 com fotos de Lisboa

    12 Setembro 2017 Empresa está a apresentar novidades em Cupertino, esta terça-feira. Correio da Manhã »

  • iPhone X (diz-se 10) não tem botão Home, mas reconhece a cara do utilizador

    12 Setembro 2017 Tim Cook diz que o novo iPhone de topo «vai marcar a tecnologia na próxima década», comparando a importância do novo iPhone à do primeiro. Os rumores confirmaram-se./> Exame Informática »

  • Confirma-se: o iPhone 8 vai estar disponível em versões de 4,7 e 5,5 polegadas

    12 Setembro 2017 E já passou por Portugal. Pelo menos uma das fotos apresentadas pela Apple foi feita em Lisboa e mostra a Ponte 25 de Abril./> Exame Informática »

  • iPhone X, o telemóvel que se desbloqueia ao olhar para ele

    12 Setembro 2017 Novo smartphone tem reconhecimento facial, ecrã OLED, Super Retina Display e emojis em 3D. Correio da Manhã »

  • Ao minuto: a apresentação do novo iPhone

    12 Setembro 2017 A expectativa em torno do novo iPhone está invulgarmente elevada. Para os fãs, o momento é simbólico: o primeiro iPhone foi apresentado por Steve Jobs há uma década. Para a Apple, é uma questão de negócio: renovar a jóia da coroa num contexto de crescimento baixo das vendas. Acompanhamos em directo./> Público »

  • iPhone 8/X e a fasquia dos 1000 euros

    11 Setembro 2017 >/>Estamos a menos de um dia da apresentação do >novo iPhone 8 e iPhone X, e as informações sobre o mesmo >não param de surgir, mas a grande questão é: estará o mercado preparado para receber um iPhone de 1000 euros?>Ano após ano os iPhones têm ficado mais caros - bastando relembrar que o iPhone 3G começou por cá chegar com um preço de 500 euros há 9 anos atrás, e que este iPhone X deverá situar-se perto dos 1200 euros (segundo os rumores). Mas, também é certo que ano após ano, os receios de que o mercado se assuste com os preços elevados dos iPhones não se têm concretizado, e cada novo lançamento continua a ser um sucesso.>/>É isso que se poderá esperar para estes novos iPhones, sendo que a explicação do salto do 7 para o 8, esquecendo o tradicional "7S" que se deveria seguir aos iPhones 7 poderá também ser atribuída ao facto do número 8 ser um número associado à sorte na China (ou não querer ficar para trás da numeração do S8 e Galaxy 8 da Samsung) e a Apple precisar de toda a sorte para garantir que também o maior mercado do mundo fica apaixonado por estes iPhones, contrariando os relatos de que desta >nem os fãs serão capazes de ignorar os preços?- especialmente se tiverem em conta que por metade do preço poderão comprar modelos como o >Mi Mix 2?da Xiaomi, igualmente impressionante.>/>Mesmo no ocidente, penso que haverá um número crescente de pessoas como eu, que desde os tempos do iPhone 5/5S começou a refrear as suas intenções de ter um iPhone. O tradicional ciclo de actualização anual passou a dar lugar à troca de iPhone apenas de 2 em 2 anos, ou até mais... Depois do iPhone 5S deixei passar o iPhone 6, 6S e 7, tendo optado pelo mais económico iPhone SE , precisamente por não conseguir justificar pagar valores de 700 ou 800 euros por um iPhone - e por muito bom que venha a ser o iPhone X, também não me parece que venha a ser capaz de dar mais de 1000 euros por um - novamente, tendo em conta todas as alternativas que se podem comprar a preço muitíssimo inferior.Aliás, esta escalada dos preços não é, infelizmente, exclusiva da Apple. A Google também fez o mesmo com os seus Nexus (após o Nexus 5) e Pixel, e também aí deixei de fazer actualizações anuais - ao ponto de actualmente estar a considerar que o meu Android oficial passe a ser o >Mi A1 com Android One, um smartphone que se pode comprar por >menos de 200 euros.>/>É certo que haverá sempre lugar para os topo de gama, com tudo o que de melhor há para oferecer, e não será difícil para - quem quiser - justificar o pagamento destas "exorbitâncias". Afinal, trata-se de um produto que a maioria das pessoas irá utilizar várias horas por dia, e que acaba por equivaler a um custo de "dois cafés e um pastel" ao longo de um ano. Vistas as coisas, acaba por ser mais lógico gastar 1000 euros num smartphone de uso recorrente, do que 1000 euros naquele computador que só se usa umas horas ao fim-de-semana.?Seja como for, é de imaginar que a Apple estará pronta a reagir a qualquer sinal de que o mercado finalmente chegou ao seu ponto limite, com um novo iPhone SE "barato" pronto para capturar todos aqueles que não queiram pagar 800, 1000 ou 1200 euros por um iPhone.Saberemos mais amanhã, quando ficarmos a conhecer oficialmente os novos iPhones 8 e X e o seu preço - e mais ainda quando chegar às lojas e se souber o volume de vendas do primeiro fim-de-semana.P.S. Há ainda uma possibilidade, do iPhone X ser tão apaixonante que até faça esquecer a questão do preço. Por um lado, até fico contente se tal acontecer, pois já estamos fartos de ser sempre "mais do mesmo" - e de certa forma isso quase me aconteceu com o Galaxy S8. Dar os tais 800 euros por um smartphone não era algo que estivesse a considerar, mas depois de o experimentar fiquei seriamente tentado (viesse ele com Android One e teria sido na hora! :) E agora que até já se encontra a >menos de 600 euros, continua a ser uma proposta (ainda mais) tentadora. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • iPhone 8/X virá com CPU hexa-core

    11 Setembro 2017 >/>A informação sobre os >novos iPhone 8 e iPhone X?continua a ser decifrada a partir do último iOS 11 que ficou disponível, e agora sabemos que a Apple voltará a mexer na arquitectura do CPU para este novo iPhone - assim como mais alguns detalhes sobre o Face ID que ocupará o lugar do Touch ID.>Os iPhone 7 e 7 Plus vieram equipados com o SoC >A10 que marcou a entrada da Apple nos CPUs quad-core (2 cores potentes + 2 cores de baixo consumo); e que foi revisto e aumentado na versão A10X usada nos iPad Pro, com um sistema hexa-core (3+3). Pois para o novo chip A11 que equipará os novos iPhone 8 e iPhone X, a Apple >volta a apostar num chip hexa-core, mas desta vez apostando numa distribuição de 2-cores de alto desempenho (Monsoon) e 4-cores de baixo consumo (Mistral).Será interessante analisar porque motivo a Apple terá optado por trocar o sistema 3+3 por este 2+4, mas poderá dever-se à necessidade de, num smartphone, ser mais importante a questão da eficiência do que num iPad, que conta com bateria bastante mais generosa. De qualquer forma, será interessante ver de que forma a Apple irá dar uso aos 4-cores de baixo consumo, que provavelmente serão suficientes para a maioria das tarefas destes novos iPhones, reservando os 2-cores de alto desempenho apenas para actividades mais exigentes.Outro detalhe interessante que vem responder às questões que levantamos sobre o Face ID, nomeadamente, se o processo será automático como se espera (para não ser demasiado intrusivo), como se irá processar a questão da validação nas contas? Uma coisa é pegar num iPhone e ele ficar desbloqueado porque nos vê; outra bem diferente é olhar para uma confirmação de uma compra que se fez por errado e o iPhone assumir que isso é a validação necessária. Por isso mesmo a Apple prepara uma confirmação adicional que vai obrigar a que se faça um duplo clique no botão do power (que aumentou de tamanho) para confirmar que se quer fazer uma compra, para além de se estar validado com o rosto.>/>... Confesso que me parece ser uma solução de recurso (pela impossibilidade de integrar o Touch ID no ecrã), bem menos amigável do que simplesmente pousar o dedo no ecrã / Touch ID e voltando a fazer temer pela fiabilidade do clique num botão físico depois de nos últimos anos a Apple se ter afastado do Home Button físico. Falta também saber se a validação via FaceID irá obrigar a ocupar o ecrã inteiro com o rosto no ecrã; o que se tornaria mais intrusivo do que uma simples validação feita via Touch ID que permitiria manter no ecrã informação detalhada sobre o que se está a fazer.Enfim... o Face ID sem dúvida que terá vantagens nalguns casos, mas suspeito que a ausência do Touch ID vai revelar que muitos aspectos da validação tiveram que ser desenrascados à pressa... e nem sempre da forma mais cómoda ou desejada. Mas saberemos amanhã, na apresentação oficial dos iPhones 8 e X. >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • Fuga de informação revela nome e funcionalidades do novo iPhone X

    11 Setembro 2017 Acesso ao sistema operativo dos novos telemóveis acontece antes do lançamento oficial desta terça-feira./> Público »

  • iPhone "8" vai ser o iPhone X

    10 Setembro 2017 >/>Estamos a poucos dias da apresentação dos novos iPhones, e as últimas descobertas apontam para que o esperado iPhone "8" vá ser afinal chamado de iPhone X, sendo acompanhado de um iPhone 8 e 8 Plus a substituir os actuais modelos 7 e 7 Plus.>As designações foram descobertas numa das mais recentes versões do iOS 11, que confirmam os rumores que já em tempos apontavam para que o novo iPhone fosse o iPhone X (que também servirá de alusão perfeita ao seu estatuto de ser um iPhone que marca o 10º aniversário deste equipamento). Mais inesperado é o facto da Apple optar por saltar os esperados "7S", optando por chamar as versões actualizadas dos mesmos de iPhone 8 e 8 Plus - inesperado mas não completamente... pois já tínhamos referido que a Apple não gostaria de ficar com a numeração dos iPhones "atrás" dos Galaxy S da Samsung, pois seria mais complicado explicar aos consumidores como um iPhone 7S era mais recente que um Galaxy S8... Assim fica reposta a igualdade... até para o ano (altura em que talvez a Apple abandone os números e passe a ter apenas um iPhone, iPhone Plus e iPhone Pro).Mas há mais novidades... embora possam ser consideraras cosméticas. Depois da aposta nos emoji vamos ter os Animoji, emoji animados que seguramente irão fazer as plataformas concorrentes apressarem-se a arranjar algo idêntico.>/>A maior novidade é que estes emoji aparentemente não terão expressões pré-definidas, replicando aquelas que forem feitas pelo utilizador... Uma funcionalidade que será certamente disponibilizada pelo sistema de reconhecimento facial, que também fica confirmado por uma imagem que parece fazer parte do processo de explicação inicial desta funcionalidade.>/>A imagem parece demonstrar que o iPhone X irá pedir ao utilizador para mover o iPhone (ou rosto) durante o processo, faltando saber se isso será pedido apenas para o processo de registo do rosto, ou para todas as vezes em que seja necessário validar a identidade (o que me parece demasiado intrusivo). De qualquer maneira, seria uma forma de captar informação 3D sobre o rosto, para combater as tentativas de enganar o sistema com uma foto.Também há referências de que o ecrã OLED será True Tone, como utilizado nos iPad Pro, com a tonalidade do ecrã a ajustar-se às condições de luminosidade; que teremos um Apple Watch LTE que partilhará o mesmo número do iPhone; que o power button lateral (que cresce de tamanho) terá funcionalidades acrescidas em substituição da ausência do home button, como ser usado para activar a Siri; e gravação de vídeo Full HD a 240fps e 4K a 60fps.... Saberemos já na próxima terça-feira, dia 12 de Setembro... mas o que toda a gente estará à espera é de ficar a saber o preço! Seria uma boa altura para a Apple repetir o que Steve Jobs fez na apresentação do iPad, ao começar por anunciar um preço de $999... para de seguida o corrigir para $499 (para alívio de todos)! ;P >> >> >> Aberto até de Madrugada »

  • COREIA DO SUL EMPRESAS - Galaxy Note 8 da Samsung quebra recorde de reservas nos EUA

    10 Setembro 2017 EFE »

  • Samsung Galaxy Note 8: As primeiras impressões

    7 Setembro 2017 >/> > />É verdade que a Samsung passou por alguns problemas com o lançamento da versão anterior da gama Note. No entanto esses problemas representam, na grande maioria dos casos, as dores de crescimento necessárias para se atingir um novo patamar. O Samsung Galaxy Note 8 representa tudo aquilo que a Samsung pretende num equipamento de topo e tem como principal objetivo oferecer ainda mais funcionalidades e caraterísticas do que o Galaxy S8. No dia em que recebemos este equipamento para teste pela mão da Samsung aqui ficam as nossas primeiras impressões. O design Considerações mais profundas à parte, quando retiramos este […] >A notícia >Samsung Galaxy Note 8: As primeiras impressões apareceu primeiro na >Leak. Leak »

  • Apple quer acabar com dependência da Samsung para os ecrãs do próximo iPhone

    7 Setembro 2017 O iPhone 8 vai incorporar um ecrã OLED fabricado pela Samsung, mas a Apple quer arranjar um segundo fornecedor para este componente para conseguir baixar os custos de produção/> Exame Informática »

  • Apple depende da Samsung para o ecrã do iPhone 8 e isso fica-lhe caro

    7 Setembro 2017 >/>A Apple vai finalmente dar o salto para os ecrãs AMOLED no iPhone 8, mas esta é uma medida que lhe sairá caro... embora esse custo (e mais) vá ser transferido para os consumidores, já que este será o mais caro iPhone de sempre.>O iPhone 8 irá recorrer a um ecrã sem margens que conta apenas com um pequeno recorte no topo do ecrã, mas igualmente importante é o facto de abandonar os habituais LCDs e passar a usar um ecrã Super AMOLED. Não se pode dizer que seja novidade, considerando que nos últimos anos os ecrãs AMOLED têm superado todos os LCDs (o que equipa o Galaxy Note 8 voltou a ser >considerado o melhor ecrã de sempre - demonstrando bem o ponto que já se atingiu) e que o principal problema da Apple não seria uma questão de "se" iria usar OLEDs, mas apenas a questão de esperar que atingissem um nível de qualidade adequado e encontrassem um fabricante capaz de os fornecer no volume necessário.Foi algo que se tornou possível para o iPhone 8, mas isso também deixa a Apple numa posição algo incómoda, pois de momento a Samsung é o único fornecedor com capacidade para isso, o que deixa a Apple completamente dependente deles para este componente, e igualmente sem grande margem de manobra para negociar preços. Os analistas estimam que este >ecrã AMOLED custe entre $120 e $130, o que representa o dobro do que custa o ecrã dos iPhones anteriores.É sabido que a Apple tem incentivado que outros fabricantes comecem a produzir ecrãs OLED em volume, e muitos estão em processo a de preparar novas linhas de fabrico. Mas isso é algo que pode demorar anos até começar a dar frutos (para não falar da questão de se >atingir o nível de qualidade que será exigido) pelo que, até lá, a Apple continuará dependente da Samsung... e que mantenha o ecrã OLED exclusivo para o iPhone 8. Quando começarem a surgir mais fabricantes e os custos baixarem, será lógico que os ecrãs OLED se estendam a toda a gama.... A grande incógnita é saber se a Apple irá conseguir surpreender com a revelação de que conseguiu integrar um sensor Touch ID no ecrã... algo que parece ser pouco provável, mas que ainda poderá vir a acontecer. Saberemos daqui por poucos dias, pois a apresentação do iPhone 8 está marcada para o dia 12 de Setembro. >> >> >> Aberto até de Madrugada »