• Confrontos marcam dia da independência nacional em Angola

    11 Novembro 2020 /> Centenas de jovens protestaram em Luanda, no dia em que se assinalam os 45 anos da independência de Angola. Pediram melhores condições de vida e eleições autárquicas em 2021. RTP »

  • Angola: Protestos e detenções marcam dia da independência

    11 Novembro 2020 >As tentativas de manifestação e detenções estão a marcar o dia em que Angola assinala 45 anos da independência. Os protestos pretendem exigir melhores condições de vida e uma data para as primeiras eleições autárquicas. >A polícia angolana está a impedir manifestações em Luanda e foi usado gás lacrimogéneo, de acordo com a agência Lusa que fala em confrontos entre as autoridades e os jovens que tentam protestar.>Há relato de feridos, nomeadamente do activista Nito Alves, um dos membros do grupo de jovens revolucionários conhecido por 15+2, detidos e julgados em 2017. Há, ainda, testemunhos de detenção de vários manifestantes.>O activista Luaty Beirão recebeu ordem de detenção pela polícia quando transmitia em directo, pelo Facebook, a caminhada para uma das manifestações em Luanda.>A agência Lusa conta que o correspondente da Reuters em Angola, Lee Bogotá, foi agredido pela polícia e viu o seu material de trabalho destruído.>Ainda de acordo com a Lusa, o porta-voz do comando provincial de Luanda da Polícia Nacional, Nestor Goubel, não confirmou a existência de detidos, remetendo para mais tarde um pronunciamento das autoridades e falando em “desrespeito total até da própria data da independência e do decreto Presidencial".>Esta quarta-feira, Angola assinala os 45 anos da independência e foi convocada uma manifestação para exigir melhores condições de vida e que seja apontada uma data para as primeiras eleições autárquicas.>O Governo da Província de Luanda proibiu a manifestação, nomeadamente devido ao não cumprimento do Decreto Presidencial sobre o estado de calamidade pública, que impede ajuntamentos de mais de cinco pessoas nas ruas, como medida de prevenção e combate à propagação da covid-19.>  RFI »